King é uma das 10 primeiras empresas contábeis a receber certificado de segurança da informação

As informações trocadas pela King com os seus clientes seguem padrões de excelência em níveis de confidencialidade, integridade, disponibilidade, autenticidade e legalidade. É o que atesta o Certificado de Segurança da Informação (CSI), conferido pelo SESCON-SP (Sindicato das Empresas de Serviços Contábeis e das Empresas de Assessoramento, Perícias, Informações e Pesquisas no Estado de São Paulo) após auditar uma série de requisitos da empresa.
Na última quinta-feira (09-02), o presidente do conselho da King, Hatiro Shimomoto, e a assistente de qualidade, Suzane Higa, receberam o certificado em evento realizado na entidade. A King foi uma das dez primeiras empresas a se qualificar a conquistar o CSI.

“Como cuidamos não só dos nossos dados como também dos nossos clientes, a preocupação com a segurança da informação sempre foi uma prioridade. Por isso, quando houve a oportunidade de certificar os nossos processos, já estávamos com meio caminho andado”, explicou Suzane.

Na sua avaliação, a certificação tende a se tornar mais um importante diferencial nos serviços prestados pela empresa, “pois dá ao cliente a certeza de que todas as informações ficarão mantidas na empresa, independentemente do tempo e das tecnologias que forem surgindo.”

Hatiro Shimomoto também destacou o valor do CSI como fator de qualidade para as empresas que utilizam os serviços da King. “Isso significa que estamos trabalhando lealmente e dignificando a profissão para dar atendimento cada vez melhor aos nossos clientes”, complementou.

Desenvolvido em parceria com o ISTART, o CSI visa direcionar as empresas no aprimoramento de seus processos internos e habilidades de seus colaboradores. O Certificado é adquirido pela organização após adequação e cumprimento de padrões de segurança e boas práticas pré-estabelecidas.

Como o Simples Nacional impactará as empresas em 2018

As mudanças anunciadas para o Simples Nacional no próximo ano acenderam o alerta nas empresas optantes por este regime tributário. Para esclarecer as dúvidas de seus clientes e orientá-los sobre como serão impactados por este novo cenário, a King Contabilidade realizou uma palestra ontem (29/11) em seu auditório, para um público de 65 pessoas.

A gerente fiscal da King, Patrícia Nobre, apresentou ao público um panorama geral das alterações impostas pela Lei Complementar 155/2016, que entra em vigor a partir de 1º de janeiro do de 2018, e explicou aspectos relacionados às alíquotas variáveis.

“A partir de agora, o cálculo do valor do imposto vai considerar uma alíquota nominal e a alíquota efetiva, que dependerá do faturamento bruto acumulado nos últimos 12 meses e da parcela fixa a deduzir, a depender da faixa de faturamento. Com isso, poderá haver redução ou aumento de carga tributária, de acordo com as variáveis de cada empresa”, alertou a palestrante.

A alíquota efetiva será calculada multiplicando a receita bruta acumulada dos últimos 12 meses pela alíquota nominal. Com o resultado obtido, deve-se subtrair a parcela a deduzir conforme tabela e dividir pela receita bruta acumulada dos últimos 12 meses.

Além desta possível variação no valor dos impostos a ser recolhido mensalmente, outro fator que causa preocupação, segundo ela, é a cobrança de ICMS (imposto sobre circulação de mercadorias e serviços) e ISS (Imposto Sobre Serviços) fora do DAS (Documento de Arrecadação do Simples Nacional) para as empresas que ultrapassarem o limite de faturamento anual de R$ 3,6 milhões.

“Isso causa insegurança, porque as empresas terão que estruturar internamente o controle de suas operações de entradas e saídas via sistema de gestão para controle da apuração via débito e crédito e ainda ficam as dúvidas quanto ao levantamento do estoque, se será necessário fazer GIA (Guia de Informação e Apuração do ICMS), e se terá de atender o SPED (Sistema Público de Escrituração Digital)”, observou Patrícia Nobre.

“Num evento que estive presente em São José dos Campos, a Diretoria de Estudos Tributários e Econômicos da SEFAZ SP na pessoa do Sr. Marcelo Nobuo Yoshida sinalizou que a apuração será sim feita pela sistemática de débito e crédito. Ainda não temos definição da Secretaria de Fazenda com relação a isso. Não sabemos se permanecerá dessa forma ou se adotará a alíquota única para apuração do ICMS, mesmo sendo fora do DAS. Devemos aguardar regulamentação. Estamos atentos a isso para passar as informações para os nossos clientes e orientar sobre como agir em cada cenário”, complementou.

As mudanças positivas ficaram por conta do novo teto anual, que passa a ser de R$ 4,8 milhões, e da redução de 20 para seis faixas de faturamento, com somente cinco tabelas de atividades.

 

Ação solidária

Mais de 30 kg de alimentos não-perecíveis foram doados pelo público que foi à palestra, a Igreja AD Vida. No dia seguinte, o pastor Márcio Cruz foi à sede da King para receber a doação, pelas mãos da palestrante e gerente fiscal Patrícia Nobre.

 

 

Tira-dúvidas

Durante a palestra, Patrícia Nobre também tirou dúvidas dos clientes relacionadas a estes e outros aspectos do Simples Nacional e ficou à disposição para fornecer mais informações e orientações pelo email patricia-n@grupoking.com.br ou telefone (11) 2856-7210.

 

 

Como aumentar as suas vendas por meio dos Market Places

As mudanças no comportamento do consumidor após a popularização da internet e a necessidade de as empresas tradicionais se adaptarem a este cenário para se manterem competitivas foram o tema da palestra realizada pelo CEO da Wave Solutions, Helder Ponsiano, na última segunda-feira (28/08), no auditório da King Contabilidade.

Para ampliarem as suas vendas de maneira segura e escalável, o palestrante demonstrou a importância de os comércios se atentarem à possibilidade divulgarem seus produtos em lojas virtuais como Submarino, Magazine Luiza, Casas Bahia e Lojas Americanas, dentre outros Market Places.

“Os grandes magazines estão querendo cada vez mais vender os produtos dos pequenos. Trata-se de um negócio vantajoso para ambos. Afinal, o grande não precisa se preocupar com o estoque e toda a logística, enquanto o pequeno se beneficia dos milhões investidos em marketing digital pelas lojas maiores”, contextualizou Ponsiano.

De acordo com o especialista, investir nos Market Places é mais vantajoso do que o comerciante querer montar seu próprio e-comerce. Isso porque serão necessários milhares de reais para investir num site seguro e de qualidade, bem como em estratégias de marketing digital para atrair o público, sem que haja resultado garantido.

“No market place, o comerciante não tem nada a perder, pois só vai precisar pagar a comissão para o site se o produto for vendido”, explicou o palestrante.

 

Parceria com a King

Ponsiano apresentou ainda a parceria firmada entre a Wave Solutions e a King Contabilidade para aumentar o faturamento dos clientes da empresa contábil. “O que estamos propondo é que os clientes da King possam entrar nos market places com uma inteligência tributária por trás. Vender um produto regionalmente é diferente de oferecê-lo ao Brasil inteiro e é preciso ter um acompanhamento de perto da contabilidade para aproveitar da melhor maneira possível essa oportunidade”, comentou Helder Ponsiano.

Para o presidente da King, Marcio Shimomoto, que abriu a palestra, vender nos Market Places logo se tornará não apenas uma possibilidade, mas sim uma necessidade do mercado.

“O mercado mudou e chegou a hora dos pequenos e médios varejistas se juntarem aos grandes”, sintetizou Shimomoto.

 

Recado captado

Cerca de 60 clientes da King Contabilidade foram à palestra para compreender este novo cenário e se preparar para essas mudanças. O sócio da tradicional varejista de vestuário Ki-Oka, Marcos Oka, vê a necessidade de os comércios investirem em vários canais de venda para se manterem competitivos. “Este é o caminho de todas as empresas, porque estamos na era digital. Muitos mercados atendem em loja física, web e aplicativos e nossa empresa precisa ser multicanal também”, afirmou o empresário.

A sócia do Planeta Sub – varejista de materiais para mergulho e pesca submarina -, Vanessa Rodrigues, já tem colhido os frutos da atuação em Market Place e pretende ampliar a rede de parceiros que divulgam seus produtos. “Uso o Market Place há três meses e  confesso que isto é o que tem segurado minhas vendas, pois o site deu uma estagnada. Somos clientes da King há aproximadamente um ano e estas palestras têm nos ajudado a esclarecer algumas dúvidas e proporcionar segurança na escolha dos caminhos traçados”, comentou a empresária.

Clientes da King há cerca de 30 anos, os sócios da Strato Studio, Piter e Walter Pavic, são outros que pretendem passar a comercializar os seus produtos e serviços de comunicação interna de lanchonetes nos Market Places das grandes magazines. “Já atuamos com o Mercado Livre e isso ajudou a expandir as vendas para o Brasil todo. Queremos aproveitar cada vez mais este mercado”, pontuou Piter.