ENCITY – Gerar novos Negócios e compartilhar experiências

Com a presença de 150 comerciantes de várias áreas de atuação da zona leste de São Paulo, a Revista CityPenha realizou nesta última terça-feira (17), o ENCITY – Encontro de Negócios, com o objetivo de reunir empresários e profissionais da região para apresentação, trocas de experiências e principalmente incentivar a realização de novos negócios.

Este evento foi marcado pela presença de estudantes da ETEC Prof. Aprígio Gonzaga – curso de Administração, do superintendente da ACSP-Penha, Dr. Alfredo Veloza, e o subprefeito da Penha, Thiago Della Volpi, entre outros.

A King Contabilidade foi um dos patrocinadores do evento, e o Presidente, Márcio Shimomoto, encerrou a apresentação do evento com um breve pronunciamento.

Servir e ser útil, este é o nosso lema, não trabalhamos com o objetivo principal de ganhar dinheiro, dinheiro é consequência de um trabalho bem realizado. O ser humano é um ser comunitário, não vivemos isolados, então para alcançar o sucesso é necessário eventos como o ”Encity”, participar da Associação Comercial, trocar ideias, praticar o Network, compartilhar problemas para achar soluções, este é o sentido deste evento, e nós da Contabilidade estamos aqui exatamente para isso, ajuda-los a achar soluções. Lidamos com a questão burocrática e indicamos os melhores caminhos tributários para sua empresa pagar menos impostos, mas o principal é que através dos números que nos apresentam é possível conhecer com mais profundidade a sua própria empresa, projetando um futuro de sucesso através das metas estipuladas. Essa é a finalidade de nós contadores e da KING Contabilidade, ajudar a alavancar sua empresa!

 

Você pode colocar um pelotão de soldados na porta de sua empresa, mas mesmo assim ela pode não estar 100% segura

Prevenir é melhor do que remediar. E as empresas precisam se antecipar aos acontecimentos negativos. Pensando nisso, a King Contabilidade está engajada em disponibilizar informações relevantes com o propósito de ajudar donos de negócios a evitar problemas que acarretem prejuízo à sua empresa.

As mudanças na sociedade são constantes em todos os âmbitos, com destaque à transformação digital, que invadiu nossas vidas proporcionando facilidade e praticidade, porém com novos riscos, sendo necessário que as empresas se preocupem com sua segurança digital.

A segurança digital é a proteção da identidade digital de uma empresa, sendo fundamental para o sucesso do negócio, tendo em vista a constante variação das ameaças, o crescimento das Pequenas e Médias Empresas (PME), a velocidade em que as informações se propagam e a complexidade crescente das infraestruturas.

Recentemente a King Contabilidade foi certificada pelo 3º ano consecutivo no programa CSI - Certificado de Segurança da Informação, e o presidente da King, Márcio Shimomoto, comenta: “Qualquer falha na proteção digital poderá acarretar consequências desastrosas para sua empresa”.

E os números mostram isso, pois os ataques cibernéticos no Brasil cresceram 95,9% em 2018, em comparação com o ano anterior.

Destacamos, então, algumas dicas importantes para garantir a segurança digital de sua empresa, acompanhe:

 

  • Crie uma Política de Segurança da Informação, que norteie as ações da empresa e de seus colaboradores, pois grande parte dos incidentes decorrem de falhas humanas;
  • Tenha um sistema de recuperação de desastres (Backup);
  • Utilize antivírus confiáveis;
  • Tenha senhas altamente seguras, com mais de 8 caracteres e que misturem números, letras maiúsculas e minúsculas, caracteres especiais (#, %, @, etc.) e que sejam trocadas pelo menos a cada 3 meses;
  • Dê treinamentos do uso correto do e-mail, com dicas sobre tomar cuidado ao inserir o endereço de e-mail, criptografar (colocar senha) documentos que tenham informações confidenciais, não abrir links em e-mails de remetentes desconhecidos;
  • Tenha um Acordo de Confidencialidade atrelado a todos os contratos com terceiros e colaboradores;
  • Oriente os colaboradores a acessarem apenas sites confiáveis e, no caso de qualquer incidente, peça para alertar o seu superior imediatamente.

 

Este investimento é prioridade, afinal sua empresa pode se tornar alvo de ataques de hackers e outros cibercriminosos, que podem trazer custos muito maiores.

 

 

MP da Liberdade Econômica pode afetar sua empresa?

O Senado aprovou no último dia 21 a medida provisória 881, conhecida como MP da Liberdade Econômica. Vemos que o governo não está medindo esforços para desburocratizar o cenário de negócios, reduzindo gastos para empregadores e facilitando a abertura de empresas.

Acompanhe as medidas de desburocratização e simplificação de processos aprovadas pelo Senado:

  • Adeus Controle de Ponto? O texto acaba ainda com a exigência de afixação, em local visível, do quadro de horários dos trabalhadores. O registro de entrada e saída, por sua vez, será exigido somente de empresas com mais de 20 funcionários. Atualmente, vale para as empresas com mais de dez empregados. Também foi aprovada a autorização expressa para o registro de ponto por exceção à jornada regular de trabalho, que não estava no texto original do Executivo. Nesse regime, horário de chegada e saída do funcionário só é registrado se há horas extras, atrasos, faltas e licenças. Previsto em portarias do extinto Ministério do Trabalho, o registro por exceção era considerado irregular pelo Tribunal Superior do Trabalho (TST). A adoção desse sistema será permitida por acordo individual escrito, convenção coletiva ou acordo coletivo de trabalho. Na opinião da KING CONTABILIDADE, apesar da não obrigatoriedade de marcação de ponto para empresas até 20 empregados, ou da marcação de ponto por exceção, os empregadores devem adotar algum sistema de marcação de ponto, seja ele manual, mecânico ou eletrônico. Pois este documento traz segurança jurídica, em uma eventual reclamação trabalhista movida pelo empregado, pleiteando horas extras, excesso de jornada, falta de intervalo entre jornada, trabalho aos domingos e feriados, dentre outros
  • eSocial passa por simplificação: O eSocial será alterado, a ideia é que seja substituído por um sistema mais simples.
  • Patrimônio Blindado: A MP 881 define os requisitos para determinar se sócios e administradores devem responder por dívidas de empresas. Pelo texto da MP, isso só será possível nos casos em que houver desvio de finalidade, ou seja, quando os sócios usarem a empresa com o propósito de lesar credores e para a prática de atos ilícitos de qualquer natureza. Ou nos casos de confusão patrimonial. Se uma empresa vier a falir por qualquer outro motivo, os bens dos sócios estarão protegidos.
  • Carteira de Trabalho, diariamente no bolso do trabalhador: O trabalhador terá acesso a esse documento diretamente pelo celular. Atualmente, para emitir a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), o trabalhador precisa marcar um horário em um posto de atendimento, levando identidade e número de PIS. Com a MP, bastará o número do CPF para que a carteira seja emitida, mas o texto não diz como será o processo de emissão. Diz que a função seria de responsabilidade do Ministério da Economia.
  • Menos Burocracia – Alvarás: A MP prevê que empresas de baixo risco não precisem mais de alvará para funcionar. No entanto, ainda não define quais seriam os critérios para a classificação de negócios de baixo risco. Pequenas e médias empresas cujas atividades sejam consideradas de baixo risco, como cabeleireiros e bares, ficam isentas para começar operar. Já quem precisa da licença, caso o órgão público não cumpra o prazo de entrega da decisão, o alvará será concedido automaticamente.
  • Fiscalizações brandas: A MP também oficializa um mecanismo que já acontece na prática das fiscalizações: na primeira visita a atividades de risco leve, o fiscal deve orientar o responsável pelo local e explicar quais as mudanças esperadas. Após o prazo determinado, mediante descumprimento, poderá lavrar auto de infração.

Receita altera obrigatoriedade relativa às informações sobre criptoativos

Em 11 de julho de 2019 foi publicado no Diário Oficial da União, a Instrução Normativa RFB nº 1.899, que trata da obrigatoriedade de prestação de informações relativas às operações realizadas com criptoativos à Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil (RFB). A obrigação do contribuinte de assinar o conjunto de informações relativas a operações com criptoativos a ser enviado de forma eletrônica mediante o uso de certificado digital válido, se restringirá aos casos em que o Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC) da RFB assim o exigir. As pessoas físicas poderão, por exemplo, acessar o serviço por meio de acesso, ao invés de precisar de certificado digital. A prestação de algumas informações relativas a dados cadastrais foi prorrogada para janeiro de 2020, período em que ocorre a entrega dos dados referentes a dezembro de 2019. A medida viabiliza a realização de diligências pelas exchanges de criptoativos em relação a grande número de clientes, como objetivo de obter dados exigidos pela RFB. De acordo com a norma, em relação aos titulares da operação, devem constar as seguintes informações: nome da pessoa física ou jurídica; endereço; domicílio fiscal e número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), conforme o caso, ou o Número de Identificação Fiscal (NIF) no exterior, quando houver, no caso de residentes ou domiciliados no exterior e as demais informações cadastrais.

Fonte AASP

O Raio-X do Consumidor

Você é pontual com o pagamento de suas contas?

Entrou em vigor a lei do cadastro de bons pagadores, a partir do último dia 9 de julho. Instituído na Lei Complementar 166, de abril deste ano, prevê a adesão automática no repasse das informações, sem a prévia autorização, para que informações de histórico de pagamento possam ser avaliadas. Tal cadastro já existia, porém era necessário que a pessoa ou empresa permitisse a inclusão neste cadastro. Agora o Cadastro Positivo apresentará informações a respeito dos créditos e dívidas, como um raio-x da saúde financeira de pessoas físicas e jurídicas, e vale dizer que tais informações permanecerão por 15 anos. Ressaltamos que é possível solicitar a retirada do nome da pessoa/empresa deste cadastro, através de uma requisição feita juntamente aos bureaus de crédito, como Serasa, SPC e Boa Vista Serviços.

Esta lei proporciona aos bons pagadores usufruir de alguns benefícios, como juros mais baixos, no entanto os consumidores que estão na linha de risco, terão dificuldades em financiamentos. As contas de consumo, como contas de luz, água e celular, e a pontualidade nos pagamentos de empréstimos, como a fatura do cartão de crédito, um crediário ou financiamento imobiliário, serão fonte para qualificar se a pessoa ou empresa é bom ou mau pagador. Atualmente, apenas as grandes instituições financeiras têm informações detalhadas sobre os correntistas.

A lei que torna a inclusão automática já está em vigor, mas ainda depende de uma regulamentação do governo federal.

 

King Contabilidade conquista a Certificação do PQEC

Você já pensou quais requisitos são necessários na hora de escolher um assessoramento contábil? Com certeza, a qualidade nos serviços, a confiabilidade e a segurança das suas informações, entram na sua lista de principais requisitos.

Pensando nisso, a King Contabilidade está constantemente aprimorando seus padrões de excelência no atendimento e na prestação dos serviços e, em julho, conquistou pelo 3º ano consecutivo, a Certificação no PQEC. Esta certificação valoriza e incentiva as empresas contábeis na busca pela excelência de seus serviços, e é fundamental conscientizar o mercado da importância da classe contábil.

 

Nossa meta é a superação através de um atendimento de extrema qualidade, o que nos propicia por 3 anos consecutivos conquistar esta certificação, comenta o presidente da King, Márcio Shimomoto

E-COMMERCE – sonho ou pesadelo ?

O comércio eletrônico deve atingir um volume de vendas de R$ 79,9 bilhões em 2019, conforme estimativa da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico.  As micro e pequenas empresas devem aumentar sua participação no faturamento, atingindo 29%. A participação dos marketplaces no faturamento do setor também deve registrar crescimento em 2019.

Conforme dados acima mencionados, é visível que o crescimento expressivo do Comércio Eletrônico ocorre devido à elevação da confiança do consumidor.
E pensando nos donos de micro e pequenos negócios que buscam se qualificar para atuar nesse segmento, a King Contabilidade apresenta 10 passos importantes para que o e-commerce não se transforme em um pesadelo. Acompanhe:

1.     Escolher o modelo de negócio: Loja virtual própria ou Marketplace? A loja virtual própria é exclusiva da sua marca. Já o Marketplace, funciona como um shopping virtual, onde várias lojas vendem produtos no mesmo lugar, geralmente de uma empresa conhecida, como Netshoes, Amaozn, Americanas.

2.     Faça a Gestão de estoque, com a adoção de uma plataforma que permita controle de materiais e produtos de forma automatizada, para não correr o risco de vender mais do que pode atender/produzir.

3.     Interaja com o cliente através de múltiplos canais, como “chatbot, call center, e-mail, redes sociais, whatsapp”, entre outros. O importante é que o usuário tenha a sua solicitação atendida da melhor forma e no menor tempo possível.

4.     Controle o fluxo de caixa: Controle de faturamento diário, contas a pagar e receber, lançamentos futuros e investimentos são informações essenciais. E devido à variedade das formas de pagamento, é imprescindível integrar os dados.

5.     Se utilize de estratégias para atrair clientes: os gestores do e-commerce devem dedicar parte do seu tempo pensando nas melhores formas de fazer publicidade. Por isso, é indicado adotar estratégias de marketing digital, como criar uma página sobre o negócio nas redes sociais e alimentá-la sempre.

6.     Invista em fotos de alta qualidade que valorizem todos os atributos do produto, para que o cliente tenha a sensação de que conhece aquilo de perto. Além do aspecto visual, é necessário criar descrições detalhadas, com informações técnicas, formas de uso, o que está incluso na compra, etc.

7.     Invista em logística: cumprir o prazo de entrega é importantíssimo! Mantenha sempre um controle do seu estoque e uma logística de ponta.

8.     Cuidado com fraudes! Nos estabelecimentos físicos e virtuais, a ocorrência de golpes é frequente. No e-commerce é necessário contratar os melhores serviços de segurança para garantir que os dados dos seus consumidores não sejam roubados. Já no Marketplace essa preocupação é da empresa que administra o shopping virtual.

9.     Agregue valor à sua marca. O reconhecimento da marca é conquistado através da credibilidade. Portanto, fique atento aos prazos de entrega, entregue o produto correto. Resolva equívocos com rapidez e mantenha um bom serviço de atendimento ao consumidor.

10.Norma ABNT NBR ISO 10008 e ao Decreto 7962, é necessário que o empresário fique atento à legislação do setor. A razão social da empresa e o número do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) devem estar em local visível no site, e o cliente também precisa saber onde achar a empresa: coloque os seus endereços físico e eletrônico e outras informações que facilitem a localização e o contato com a loja.

 

Estáticas apontam que os brasileiros são o segundo povo do G20 (grupo formado pelos ministros de finanças e chefes dos bancos centrais das 19 maiores economias do mundo mais a União Europeia) que mais investe na criação do próprio negócio.

“Vários erros ocorrem quando o assunto é a abertura de um negócio próprio, portanto sempre tenha em mente que não basta ter apenas a vontade de se tornar um empreendedor, é necessário se atentar aos detalhes do novo empreendimento, tornando o sonho em realidade e jamais em pesadelo”, comenta a consultora tributária, Elvira de Carvalho.

Enquanto uns choram, a La Roupa vende lenços

O empresário Gustavo Feola conta sua trajetória até chegar no comércio on-line, La Roupa, no quadro “Todo Cliente é Especial”.

A trajetória é longa, desde 1924, seus antepassados iniciaram um comércio de roupas, atacado e varejo, no centro da Penha com uma clientela forte. A famosa Meias Penha enfrentou guerras, crises, mas se manteve firme. Ingressaram de forma marcante no mercado nos anos, 50, 60, 70 e 80 com uma fábrica de meias. Em 1980, seu avô, Sr. Chafi Abrão Neme, decidiu encerrar as atividades da fábrica e permaneceu somente com a loja na Penha. Nosso diferencial sempre foi revender marcas importantes, praticar bons preços e atender os clientes com o respeito e carinho que cada um merece, comenta o empresário Gustavo Feola.

Nos anos 90, Gustavo e sua irmã Alessandra decidiram ingressar nos Shoppings de São Paulo com a marca “Meia&Companhia”, permanecendo neste mercado por quase 15 anos, quando decidiram encerrar a atuação em shopping por motivos particulares. Apenas a Meias Penha se manteve no mercado, porém em 2017 as atividades foram encerradas com o falecimento de seu pai, o Sr. Feola.

Vale ressaltar que o CNPJ da Meias Penha não foi encerrado, pois havia o propósito de reativá-lo, mas sem saber ainda qual seria o formato de atuação, afinal o Gustavo sempre foi apaixonado pelo comércio.

Decidiu então ingressar no universo do e-commerce, um negócio mais dinâmico e que dispensa grandes investimentos, como uma loja física exige. Neste momento nasceu a La Roupa, loja online para o público masculino. Comenta que antes de tomar a decisão deste novo negócio, compartilhou a ideia com a King Contabilidade, sua consultora contábil desde o tempo da Meias Penha, há mais de 20 anos, e seguiu à risca as orientações sobre e-commerce, pois não basta ter apenas a vontade de iniciar um e-commerce, é necessário aprofundar dados importantes que darão sustentação ao negócio, destacando:gestão de estoque, fluxo de caixa, Marketplace, entre outros

Indagamos qual o carro chefe da La Roupa? Gustavo responde de forma imediata: Pijamas e Cuecas.

Como curiosidade, seu avô tinha o costume de colocar lenços ao lado do caixa, um tipo de chamariz. E quando o Gustavo montou a loja online, colocou em discussão se seria positivo disponibilizar lenços, e foi uma tremenda surpresa ver como os lenços ganharam o mercado dos jovens. Portanto, o ditado “enquanto uns choram, outros vendem lenços”, faz parte da filosofia da La Roupa

 

Visite o site: www.laroupa.com.br

Instagram e facebook: @laroupa.shop

 

Moedas Virtuais – Fim do Anonimato

Compra e venda de criptoativos, como o Bitcoin, terão que ser comunicadas ao fisco

A partir de 1º de agosto, pessoas físicas, jurídicas e corretoras que fizerem operações com criptoativos, como o Bitcoin, terão que informar ao fisco. A determinação está em na instrução normativa IN RFB 1.888/2019. Com a medida, será possível combater a sonegação fiscal e evitar crimes como lavagem de dinheiro e remessa ilegal de divisas ao exterior.

Essas informações deverão ser prestadas com a utilização do sistema Coleta Nacional, disponibilizado por meio do Centro Virtual de Atendimento (e-CAC) da Receita Federal, e o conjunto de informações enviadas de forma eletrônica deverá ser assinado digitalmente pela pessoa física, pelo representante legal da pessoa jurídica ou pelo procurador, com a utilização de certificado digital.

Estão obrigadas a prestar informações à Receita Federal:

  1. as Exchanges (plataformas digitais que facilitam a compra, venda e troca de criptomoedas) de criptoativos domiciliada, para fins tributários, no Brasil;
  2. a pessoa física ou jurídica, residente ou domiciliada no Brasil, quando as operações forem realizadas em exchange domiciliada no exterior ou não forem realizadas em exchanges, sempre que o valor mensal das operações, isolado ou conjuntamente, ultrapassar R$30.000,00 (trinta mil reais).
 

Devem ser prestadas, obrigatoriamente à Receita Federal, informações acerca das operações com criptoativos abaixo relacionadas:

  • compra e venda;
  • permuta;
  • doação;
  • transferência de criptoativo para a exchange;
  • retirada de criptoativo da exchange;
  • cessão temporária (aluguel);
  • dação em pagamento;
  • emissão; e
  • outras operações que impliquem em transferência de criptoativos.
 

Observa-se que a Receita Federal já orientava, desde 2017, que as pessoas físicas que operassem com criptomoedas e continuassem de posse dessas moedas virtuais em 31 de dezembro de 2017 deveriam informar esses criptoativos na Declaração “Bens e Direitos” de 2018 (referente ao ano de 2017). Ou seja, desde 2018, já havia orientação para que fossem declarados os dados da operação, tais como a quantidade, o valor da aquisição (não o valor de mercado) e, caso a pessoa houvesse efetuado várias compras desses criptoativos ao longo do ano, deveriam considerar o valor pago pela criptomoeda em cada uma delas e individualizar as aquisições para efeito de informação.

Os ganhos obtidos com a venda de criptomoedas também deveria ser declarado, e o ganho de capital em operações que superassem R$35 mil em um mês já tornava necessária a elaboração da declaração por meio do programa do GCAP2017 (Programa de Apuração dos Ganhos de Capital) até o último dia do mês seguinte ao do ganho.

Em resumo, as informações terão que ser prestadas à Receita até o último dia útil do mês seguinte ao da operação com criptoativos. E as exchanges também terão que fornecer um relatório anual dessas operações.

As multas pelo atraso na apresentação das informações variam de R$ 100 a R$ 1,5 mil. Já pela prestação de informações incorretas, o valor pode chegar a 3% do valor da operação. Portanto, é necessário atenção para evitar a penalização.

ECD e ECF – Particularidades e Prazos

A King Contabilidade alerta as empresas para as particularidades e prazos a serem observados em 2019 com relação à ECD e ECF. Conversamos com a advogada tributarista e consultora de empresas, Dra. Renata Soares Leal Ferrarezi, que nos concedeu detalhes sobre estas duas escriturações.

A Escrituração Contábil Fiscal (ECF) e a Escrituração Contábil Digital (ECD) tem naturezas e se destinam a finalidades distintas.

Veja abaixo as particularidades de cada uma delas.


Escrituração Contábil Digital (ECD)

 

A ECD foi instituída para fins fiscais e previdenciários, sendo parte integrante do Sistema Público de Escrituração Digital (SPED), e surgiu para substituir a escrituração que antes era realizada em papel, compreendendo a transmissão dos livros:

  1. Livro Diário e seus auxiliares;
  2. Livro Razão e seus auxiliares;
  3. Livro Balancetes Diários, Balanços e fichas de lançamento comprobatórias dos lançamentos neles transcritos.

O prazo máximo de entrega é até o último dia útil de maio, ou seja, até 31/05/2019.

Nos casos de extinção, cisão, fusão, incorporação ocorrida entre janeiro e abril/2019, o prazo para entrega também será 31/05/2019. Todavia, se qualquer destes eventos ocorrer entre maio e dezembro/2019, o prazo para entrega será até o último dia do mês seguinte ao do evento.

 

Escrituração Contábil Fiscal (ECF)

 

Por outro lado, a Escrituração Contábil Fiscal (ECF) foi instituída com a finalidade de substituir a Declaração de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (DIPJ) e é obrigatória tanto para as empresas optantes pelo Lucro Real quanto as optantes pelo Lucro Presumido, além das entidades isentas ou imunes do IRPJ e CSLL, como é o caso das Organizações Não Governamentais (ONGs), exceto:

  1. para as empresas optantes pelo Simples Nacional (ME e EPP);
  2. Autarquias, Fundações e Órgãos Públicos;
  3. Pessoas jurídicas inativas.

Em 2019, o prazo para entrega é até 31/07/2019.

 

Na ECF são fornecidas informações contábeis acerca de todas as operações do negócio que influenciam a composição da base de cálculo e o valor referente ao IRPJ e à CSLL.

Os registros são reunidos em agrupamentos, formando blocos de informações que seguem um padrão definido pela Receita Federal. Cada bloco possui uma sequência das informações e são compostos por um registro de abertura e um de encerramento.

A Receita Federal editou um manual de orientação para o preenchimento da ECF contendo um guia detalhado sobre o que representa cada bloco e o que conter cada linha do registro.

É importante salientar que a ECD é pré-requisito para preencher a ECF, ou seja, a empresa deve recuperar a ECD para que as informações referentes aos lançamentos contábeis sejam utilizadas no preenchimento da ECF, o que diminui a quantidade de informações preenchidas manualmente e o tempo para fazer a escrituração, além de reduzir a possibilidade de erros no preenchimento.

É bom lembrar que nem todos os registros presentes no manual da ECF são obrigatórios para todas as empresas, ou seja, cada empresa deve preencher apenas os blocos referentes ao seu regime tributário.

O preenchimento da ECF pode ser efetuado diretamente por meio do programa validador – chamado de PGE (Programa Geral de Escrituração) da Receita Federal -, ou através de um sistema de gestão contábil, por meio do qual, além dos dados da ECD recuperada, também podem ser aproveitados os dados pertinentes para a geração da ECF que a empresa já informou ao software, inserindo apenas a conta contábil referente a cada registro, pois os dados serão preenchidos automaticamente.

Como a ECF é composta por vários blocos, ela é complexa e trabalhosa, obrigando as empresas a dispensar maior atenção na geração de informações no momento do lançamento, a fim de evitar erros.

A ECF agilizou o processo de acesso do Fisco às informações das empresas e tornou mais eficiente o processo de fiscalização através do cruzamento de dados digital.


Diferenças entre ECD e DCF

Destaque-se que, embora as siglas sejam parecidas, ECD e ECF são duas obrigações distintas, com finalidades específicas e com características e detalhes distintos.
Enquanto a ECD não é obrigatória para todas as empresas, mas apenas para as obrigadas a manter escrituração contábil conforme previsto na legislação comercial, a ECF substituiu a Declaração de Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (DIPJ) e é obrigatória para quase todas as empresas, exceto para as optantes pelo Simples Nacional, ou seja, para as microempresas (ME) e empresas de pequeno porte (EPP). Quando a ECF ou ECD são preenchidas erroneamente ou fora do prazo, a empresa fica sujeita à multas. Mas não é só. A não apresentação da ECF e ECD devidamente preenchidos e no prazo correto deixa a empresa em situação irregular perante o Fisco.


Dra. Renata Soares Leal Ferrarezi
Advogada tributarista e consultora de empresas