LGPD entra em vigor em 2020

A Lei 13.709, conhecida como Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), entrará em vigor em agosto de 2020, e tem como objetivo proteger dados pessoais de clientes e usuários por parte de empresas públicas e privadas.

A LGPD veio para disciplinar o tratamento dos dados pessoais que dizem respeito à qualquer informação que identifique uma pessoa, como por exemplo: nome e sobrenome, CPF e RG, além de dados como raça, religião, sexualidade, entre outros. Estes dados são considerados sensíveis e recebem proteção. A maior mudança, sem dúvida, diz respeito ao controle dos cidadãos em relação à exposição dos seus dados, criando a obrigatoriedade de autorização expressa do mesmo para que ocorra a coleta de dados, por empresas públicas e privadas.

A lei é aplicada a todos os setores da economia, portanto empresas contábeis terão que garantir a transparência e o direito de acesso a essas informações. Para se enquadrar nas exigências da lei, as empresas terão que fazer investimentos para a implementação de uma estrutura e uma política interna de compliance digital acerca do tratamento de dados de seus clientes, ou seja, a garantia na Segurança da Informação, propriamente dita. Isso vale tanto para empresas do setor público como do setor privado.

O SESCON-SP e a AESCON-SP, em parceria com a Istart, anualmente certificam empresas contábeis no Programa CSI – Certificado em Segurança da Informação, que visa auxiliar as empresas na adoção de práticas e políticas de Segurança da Informação. Portanto a LGPD poderá ser integrada de maneira automática na rotina destas empresas contábeis já certificadas no Programa CSI.

A LGPD coloca o Brasil em posição de igualdade com muitos países que já tratam de forma bem definida este tema. Penalizando o descumprimento da lei, a multa será de até 2% do faturamento, dependendo do grau e tipo de violação. O valor máximo da sanção é de R$ 50 milhões.

E mais recentemente, no dia 9 de julho, foi criado um órgão que será responsável pela fiscalização do LGDP, a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), responsável em elaborar diretrizes para a lei e aplicar as sanções previstas para as empresas públicas ou privadas que descumprirem as exigências.

Com 42 anos de King, Roberto Kazu Hasegawa, paulista de Valparaíso, é um dos funcionários mais antigos da empresa e conta um pouco de sua história na KING.

Para conseguir a vaga de emprego, precisou de perseverança, afinal nesta época Dr. Hatiro exercia a vida política e sua agenda demandava uma série de compromissos importantes. Foram dois dias de longa espera e só no terceiro dia conseguiu a entrevista com Arlindo, sócio do Dr. Hatiro, mas a demora foi recompensada, pois Kazu ingressou na família KING em 1978. Neste mesmo ano, chegou no mercado o primeiro microcomputador tal como o conhecemos. Esta particularidade é comentada para reforçar que o Kazu passou por muitas transformações tanto pessoais como profissionais.

Foi admitido como roteirista, então diariamente visitava os clientes com o Fusca da empresa, imagine os bairros de São Paulo nos anos 70, nessa década concentrava o maior número de imóveis construídos e ainda presentes na capital paulista. Para as novas gerações, pode ser um mero detalhe, mas trata-se de uma metrópole com 465 anos e Kazu assistiu muita transformação na capital. Nesta época, sua tarefa consistia em entregar e recolher documentos, além de  apurar alguma necessidade dos clientes, e grande parte das empresas eram familiares, então sempre compartilhava de momentos agradáveis com os clientes, como um café quentinho acompanhado de uma boa conversa.

Com 9 anos de empresa, casou-se com Elidia, e nesta mesma época conquistou grandes transformações, pois aprendeu a importância da religião em sua vida. Até que em 1989, passou a fazer trabalhos internos e foi promovido para coordenador, mas continuava a visitar clientes. Em 1994 se tornou gerente do Departamento de Roteiro, atualmente denominado como Departamento de Logística e Serviços, sendo responsável pela manutenção predial e controle de abastecimento e frota de veículos.

“A filosofia da empresa, honestidade, seriedade e clareza, é a razão dos 42 anos de empresa”, afirma Kazu.

Perguntamos sobre seus Hobbies, destaca como seu maior hobby Ba pesca, aprecia o ar livre, pesqueiros, lagos, mares. A pescaria é uma paixão. Os trabalhos manuais também ganham destaque, em casa principalmente, costuma estar sempre atualizado com o que é lançado no mercado de ferramentas manuais

Receita altera obrigatoriedade relativa às informações sobre criptoativos

Em 11 de julho de 2019 foi publicado no Diário Oficial da União, a Instrução Normativa RFB nº 1.899, que trata da obrigatoriedade de prestação de informações relativas às operações realizadas com criptoativos à Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil (RFB). A obrigação do contribuinte de assinar o conjunto de informações relativas a operações com criptoativos a ser enviado de forma eletrônica mediante o uso de certificado digital válido, se restringirá aos casos em que o Centro Virtual de Atendimento ao Contribuinte (e-CAC) da RFB assim o exigir. As pessoas físicas poderão, por exemplo, acessar o serviço por meio de acesso, ao invés de precisar de certificado digital. A prestação de algumas informações relativas a dados cadastrais foi prorrogada para janeiro de 2020, período em que ocorre a entrega dos dados referentes a dezembro de 2019. A medida viabiliza a realização de diligências pelas exchanges de criptoativos em relação a grande número de clientes, como objetivo de obter dados exigidos pela RFB. De acordo com a norma, em relação aos titulares da operação, devem constar as seguintes informações: nome da pessoa física ou jurídica; endereço; domicílio fiscal e número de inscrição no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF) ou no Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ), conforme o caso, ou o Número de Identificação Fiscal (NIF) no exterior, quando houver, no caso de residentes ou domiciliados no exterior e as demais informações cadastrais.

Fonte AASP

O Raio-X do Consumidor

Você é pontual com o pagamento de suas contas?

Entrou em vigor a lei do cadastro de bons pagadores, a partir do último dia 9 de julho. Instituído na Lei Complementar 166, de abril deste ano, prevê a adesão automática no repasse das informações, sem a prévia autorização, para que informações de histórico de pagamento possam ser avaliadas. Tal cadastro já existia, porém era necessário que a pessoa ou empresa permitisse a inclusão neste cadastro. Agora o Cadastro Positivo apresentará informações a respeito dos créditos e dívidas, como um raio-x da saúde financeira de pessoas físicas e jurídicas, e vale dizer que tais informações permanecerão por 15 anos. Ressaltamos que é possível solicitar a retirada do nome da pessoa/empresa deste cadastro, através de uma requisição feita juntamente aos bureaus de crédito, como Serasa, SPC e Boa Vista Serviços.

Esta lei proporciona aos bons pagadores usufruir de alguns benefícios, como juros mais baixos, no entanto os consumidores que estão na linha de risco, terão dificuldades em financiamentos. As contas de consumo, como contas de luz, água e celular, e a pontualidade nos pagamentos de empréstimos, como a fatura do cartão de crédito, um crediário ou financiamento imobiliário, serão fonte para qualificar se a pessoa ou empresa é bom ou mau pagador. Atualmente, apenas as grandes instituições financeiras têm informações detalhadas sobre os correntistas.

A lei que torna a inclusão automática já está em vigor, mas ainda depende de uma regulamentação do governo federal.

 

King Contabilidade conquista a Certificação do PQEC

Você já pensou quais requisitos são necessários na hora de escolher um assessoramento contábil? Com certeza, a qualidade nos serviços, a confiabilidade e a segurança das suas informações, entram na sua lista de principais requisitos.

Pensando nisso, a King Contabilidade está constantemente aprimorando seus padrões de excelência no atendimento e na prestação dos serviços e, em julho, conquistou pelo 3º ano consecutivo, a Certificação no PQEC. Esta certificação valoriza e incentiva as empresas contábeis na busca pela excelência de seus serviços, e é fundamental conscientizar o mercado da importância da classe contábil.

 

Nossa meta é a superação através de um atendimento de extrema qualidade, o que nos propicia por 3 anos consecutivos conquistar esta certificação, comenta o presidente da King, Márcio Shimomoto

E-COMMERCE – sonho ou pesadelo ?

O comércio eletrônico deve atingir um volume de vendas de R$ 79,9 bilhões em 2019, conforme estimativa da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico.  As micro e pequenas empresas devem aumentar sua participação no faturamento, atingindo 29%. A participação dos marketplaces no faturamento do setor também deve registrar crescimento em 2019.

Conforme dados acima mencionados, é visível que o crescimento expressivo do Comércio Eletrônico ocorre devido à elevação da confiança do consumidor.
E pensando nos donos de micro e pequenos negócios que buscam se qualificar para atuar nesse segmento, a King Contabilidade apresenta 10 passos importantes para que o e-commerce não se transforme em um pesadelo. Acompanhe:

1.     Escolher o modelo de negócio: Loja virtual própria ou Marketplace? A loja virtual própria é exclusiva da sua marca. Já o Marketplace, funciona como um shopping virtual, onde várias lojas vendem produtos no mesmo lugar, geralmente de uma empresa conhecida, como Netshoes, Amaozn, Americanas.

2.     Faça a Gestão de estoque, com a adoção de uma plataforma que permita controle de materiais e produtos de forma automatizada, para não correr o risco de vender mais do que pode atender/produzir.

3.     Interaja com o cliente através de múltiplos canais, como “chatbot, call center, e-mail, redes sociais, whatsapp”, entre outros. O importante é que o usuário tenha a sua solicitação atendida da melhor forma e no menor tempo possível.

4.     Controle o fluxo de caixa: Controle de faturamento diário, contas a pagar e receber, lançamentos futuros e investimentos são informações essenciais. E devido à variedade das formas de pagamento, é imprescindível integrar os dados.

5.     Se utilize de estratégias para atrair clientes: os gestores do e-commerce devem dedicar parte do seu tempo pensando nas melhores formas de fazer publicidade. Por isso, é indicado adotar estratégias de marketing digital, como criar uma página sobre o negócio nas redes sociais e alimentá-la sempre.

6.     Invista em fotos de alta qualidade que valorizem todos os atributos do produto, para que o cliente tenha a sensação de que conhece aquilo de perto. Além do aspecto visual, é necessário criar descrições detalhadas, com informações técnicas, formas de uso, o que está incluso na compra, etc.

7.     Invista em logística: cumprir o prazo de entrega é importantíssimo! Mantenha sempre um controle do seu estoque e uma logística de ponta.

8.     Cuidado com fraudes! Nos estabelecimentos físicos e virtuais, a ocorrência de golpes é frequente. No e-commerce é necessário contratar os melhores serviços de segurança para garantir que os dados dos seus consumidores não sejam roubados. Já no Marketplace essa preocupação é da empresa que administra o shopping virtual.

9.     Agregue valor à sua marca. O reconhecimento da marca é conquistado através da credibilidade. Portanto, fique atento aos prazos de entrega, entregue o produto correto. Resolva equívocos com rapidez e mantenha um bom serviço de atendimento ao consumidor.

10.Norma ABNT NBR ISO 10008 e ao Decreto 7962, é necessário que o empresário fique atento à legislação do setor. A razão social da empresa e o número do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) devem estar em local visível no site, e o cliente também precisa saber onde achar a empresa: coloque os seus endereços físico e eletrônico e outras informações que facilitem a localização e o contato com a loja.

 

Estáticas apontam que os brasileiros são o segundo povo do G20 (grupo formado pelos ministros de finanças e chefes dos bancos centrais das 19 maiores economias do mundo mais a União Europeia) que mais investe na criação do próprio negócio.

“Vários erros ocorrem quando o assunto é a abertura de um negócio próprio, portanto sempre tenha em mente que não basta ter apenas a vontade de se tornar um empreendedor, é necessário se atentar aos detalhes do novo empreendimento, tornando o sonho em realidade e jamais em pesadelo”, comenta a consultora tributária, Elvira de Carvalho.

Enquanto uns choram, a La Roupa vende lenços

O empresário Gustavo Feola conta sua trajetória até chegar no comércio on-line, La Roupa, no quadro “Todo Cliente é Especial”.

A trajetória é longa, desde 1924, seus antepassados iniciaram um comércio de roupas, atacado e varejo, no centro da Penha com uma clientela forte. A famosa Meias Penha enfrentou guerras, crises, mas se manteve firme. Ingressaram de forma marcante no mercado nos anos, 50, 60, 70 e 80 com uma fábrica de meias. Em 1980, seu avô, Sr. Chafi Abrão Neme, decidiu encerrar as atividades da fábrica e permaneceu somente com a loja na Penha. Nosso diferencial sempre foi revender marcas importantes, praticar bons preços e atender os clientes com o respeito e carinho que cada um merece, comenta o empresário Gustavo Feola.

Nos anos 90, Gustavo e sua irmã Alessandra decidiram ingressar nos Shoppings de São Paulo com a marca “Meia&Companhia”, permanecendo neste mercado por quase 15 anos, quando decidiram encerrar a atuação em shopping por motivos particulares. Apenas a Meias Penha se manteve no mercado, porém em 2017 as atividades foram encerradas com o falecimento de seu pai, o Sr. Feola.

Vale ressaltar que o CNPJ da Meias Penha não foi encerrado, pois havia o propósito de reativá-lo, mas sem saber ainda qual seria o formato de atuação, afinal o Gustavo sempre foi apaixonado pelo comércio.

Decidiu então ingressar no universo do e-commerce, um negócio mais dinâmico e que dispensa grandes investimentos, como uma loja física exige. Neste momento nasceu a La Roupa, loja online para o público masculino. Comenta que antes de tomar a decisão deste novo negócio, compartilhou a ideia com a King Contabilidade, sua consultora contábil desde o tempo da Meias Penha, há mais de 20 anos, e seguiu à risca as orientações sobre e-commerce, pois não basta ter apenas a vontade de iniciar um e-commerce, é necessário aprofundar dados importantes que darão sustentação ao negócio, destacando:gestão de estoque, fluxo de caixa, Marketplace, entre outros

Indagamos qual o carro chefe da La Roupa? Gustavo responde de forma imediata: Pijamas e Cuecas.

Como curiosidade, seu avô tinha o costume de colocar lenços ao lado do caixa, um tipo de chamariz. E quando o Gustavo montou a loja online, colocou em discussão se seria positivo disponibilizar lenços, e foi uma tremenda surpresa ver como os lenços ganharam o mercado dos jovens. Portanto, o ditado “enquanto uns choram, outros vendem lenços”, faz parte da filosofia da La Roupa

 

Visite o site: www.laroupa.com.br

Instagram e facebook: @laroupa.shop

 

Os 10 mandamentos para ter um e-commerce de sucesso

A previsão é de que mais de 60 milhões de consumidores farão compras pela internet neste ano, impulsionando o setor, conforme divulgado pela certificação Ebit. Este cenário não podia ser diferente, pois o e-commerce se destaca na economia brasileira.

Pensando nos donos de micro e pequenos negócios que buscam se qualificar para atuar nesse segmento, a King Contabilidade apresenta 10 passos importantes para o sucesso do e-commerce.

1. Escolher o modelo de negócio: Loja virtual própria ou Marketplace? Qual a diferença?
A loja virtual própria é exclusiva da sua marca. Já o Marketplace, funciona como um shopping virtual, onde várias lojas vendem produtos no mesmo lugar. Vejamos:

a- Loja virtual própria: O empresário deverá levar em consideração alguns pontos: plataforma para desenvolvimento do site, formas de pagamentos e antifraude, segurança, suporte, BackOffice, frete e marketing. A infraestrutura será de total responsabilidade do empresário. Lembrando que na Loja virtual própria o custo com o Marketing digital, deve ser muito bem trabalhado para ganhar visibilidade.

b- O Marketplace: Trata-se de um portal de e-commerce colaborativo, um shopping virtual, ou seja, uma loja virtual com vários vendedores, porém é necessário escolher um canal de Marketplace. Contudo os riscos são bem menores porque não existe tanto investimento inicial e as taxas são cobradas sobre as vendas.
A vantagem é que você pode contar com plataformas que permitem a integração entre sua loja virtual ou física com o Marketplace, ou seja, o compartilhamento de dados otimiza todo o seu trabalho e amplia consideravelmente suas oportunidades de vendas, gerando um enorme tráfego de visitantes. Para quem ainda não é conhecido, é uma excelente maneira de manter as vendas ativas até ganhar visibilidade.2. Faça a Gestão de estoque, com a adoção de uma plataforma que permita controle de materiais e produtos de forma automatizada, para não correr o risco de vender mais do que pode atender.

3. Interaja com o cliente através de múltiplos canais, como “chatbot, call center, e-mail, redes sociais, whatsapp”, entre outros. O importante é que o usuário tenha a sua solicitação atendida da melhor forma e no menor tempo possível.

4. Controle o fluxo de caixa: Muita atenção no controle de faturamento diário, contas a pagar e receber, lançamentos futuros e investimentos são informações essenciais. Devido à variedade das formas de pagamento, é imprescindível integrar os dados.

5. Se utilize de estratégias para atrair clientes: os gestores do e-commerce devem gastar boa parte do tempo pensando nas melhores formas de fazer publicidade. Por isso, é indicado adotar estratégias de marketing digital, como criar uma página sobre o negócio nas redes sociais e iniciar uma tática de links patrocinados.
6. Invista em fotos de alta qualidade, que valorizem todos os atributos do produto, para que o cliente tenha a sensação de que conhece aquilo de perto. Além do aspecto visual, é necessário criar descrições detalhadas, com informações técnicas, formas de uso, o que está incluso na compra, etc.

7. Invista em logística: cumprir o prazo de entrega é importantíssimo! Mantenha sempre um controle do seu estoque e uma logística de ponta.

8. Cuidado com fraudes! Nos estabelecimentos físicos e virtuais, a ocorrência de golpes são frequentes. No e-commerce próprio você tem que dar conta de contratar os melhores serviços de segurança para garantir que os dados dos seus consumidores não sejam roubados. Já no Marketplace essa preocupação é da empresa que administra o shopping virtual.

9. Agregue valor à sua marca. O mais importante para que a marca se fixe na cabeça das pessoas é conseguir ter credibilidade. Portanto, fique atento aos prazos de entrega, entregue o produto correto. Resolva equívocos com rapidez e mantenha um bom serviço de atendimento ao consumidor.

10. Norma ABNT NBR ISO 10008 e ao Decreto 7962, é necessário que o empresário fique atento à legislação do setor. A razão social da empresa e o número do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) devem estar em local visível no site, e o cliente também precisa saber onde achar a empresa: coloque os seus endereços físico e eletrônico e outras informações que facilitem a localização e o contato com a loja.

Autora: Elvira Deonila de Carvalho, consultora tributária da King Contabilidade

Abertura de Empresa: Loja física X E-commerce

O atual cenário de emprego em nosso país permanece cheio de incertezas e, a melhora projetada para o mercado de trabalho apresenta um intervalo maior do que o esperado. A opção, então, é buscar outras alternativas, dentre as quais abrir um negócio próprio, que se destaca diante das demais possibilidades.

Produto ou serviço, público, valor, preço e localização física são pontos principais a serem estudados para que o futuro empresário tenha uma visão detalhada de seu mercado/área de atuação. O planejamento estratégico é uma ferramenta imprescindível para o sucesso de qualquer negócio, independente do porte de sua empresa, e principalmente para uma empresa em fase de formação. Conhecer o mercado, o público, as legislações e tributações, bem como o melhor caminho a se seguir, fazem a diferença na atuação da empresa e do empresário brasileiro.

O primeiro passo para abrir um negócio é contratar um contador qualificado para a elaboração e registro do contrato social e, consequentemente, providenciar as inscrições nos órgãos públicos necessários para a emissão das Notas Fiscais pertinentes à atividade. A escolha do regime tributário mais adequado para a nova empresa é um momento que exige cautela e expertise do contador, para que não ocasione fraudes ou lesão ao Fisco e nem onere erroneamente o empresário, inviabilizando, assim, as atividades sociais da nova empresa. Nesse ano, por exemplo, nasceram 131 empresas por dia e faliram 44, e fatores como falta de planejamento e alta carga tributária contribuíram para este cenário.

Outro aspecto que merece atenção na abertura de empresa é a definição do Capital Social. De acordo com os conceitos contábeis vigentes, o Capital Social é a quantia disponibilizada pelos sócios para que a nova empresa inicie suas operações, mantendo-se operacionalmente, sem depender financeiramente dos mesmos. E para determinar esse valor os sócios devem ter como base os custos e despesas que a nova empresa terá em um determinado espaço de tempo, tais como aluguel, folha de pagamento, compras de ativo e estoque, impostos em geral, entre outros.

Mesmo diante das dificuldades econômicas que o país enfrenta, o e-commerce permanece em crescimento, pois a crise não abateu esta modalidade de negócio. Tivemos um crescimento de 12% em relação ao ano anterior e faturamento na ordem de 59,9 bilhões de Reais, segundo dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm). Portanto, estamos diante de um novo cenário, onde consumidores estão prestando mais atenção a produtos e serviços vendidos e negociados através da Internet.

Vale ressaltar que não há diferenças entre abrir uma empresa física e uma virtual. Esta modalidade de empresa, “e-commerce”, exige o capital inicial de investimento. E também é necessário estabelecer um espaço físico real de funcionamento, isto é, um escritório para as operações administrativas e, muitas vezes necessário, um local para estoque. Portanto, será necessário o alvará de funcionamento dos órgãos competentes (prefeitura de sua cidade e do Corpo de Bombeiros). Além disso, é necessário registrar o empreendimento na Junta Comercial do estado onde o empreendimento está localizado, na Receita Federal para obtenção do CNPJ e na Secretaria de Fazenda de seu estado, para poder emitir Nota Fiscal para o consumidor.

Todo este processo é altamente necessário para que sua empresa atenda às exigências legais, e a King Contabilidade, presente há mais de 50 anos no mercado contábil, poderá auxiliá-lo a escrever uma grande história de sucesso e prosperidade para sua empresa.
*Ricardo Oliveira, Gerente da Área de Legalização da King Contabilidade.

 

 

Simplificação de Tributos, entrevista com Ives Gandra

O jurista Ives Gandra Martins concede entrevista exclusiva para King Contabilidade sobre a Reforma Tributária – Simplificação de Tributos

King –Qual sua avaliação sobre a reforma simplificada dos tributos?

Ives Gandra – No momento, o projeto que está em discussão é o do deputado Luiz Carlos Hauly, ele foi secretário de fazenda do governo de Álvaro Dias. Este projeto propõe simplificar e eliminar nove tributos da base de consumo, substituindo-os pelo IVA – Imposto de Valor Adicionado.

O IVA substitui o ICMS, IPI, ISS, Cofins, salário-educação, além de um imposto seletivo para arrecadação federal sobre energia elétrica, combustíveis líquidos e derivados, comunicação, cigarros, bebidas e veículos. Então, seria a compactação de 7 tributos indiretos que incidem sobre a circulação de bens e serviços, proporcionando a incidência de um Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico) em algumas operações de direito econômico. Com isto, facilitaria os controles e a contabilidade, melhorando a vida do contribuinte e dificultando a vida do sonegador.

Considero a proposta muito boa, porém muito difícil de ser aprovada em um fim de governo. “Os governadores dificilmente abrirão mão da sua competência. Dependerá de negociação exaustiva. Para concluir, em termos de Reforma Tributária, ainda estamos na estaca zero”, afirma o jurista.