A G.E.T Tractor não vende apenas produtos, vende inovação.

A King foi até a G.E.T. Tractor conhecer a trajetória desta jovem empresa que atua no segmento de peças de trator, setor ligado a infraestrutura, onde se utilizam máquinas de tração “tratores”, conhecida como “linha amarela”.

Com o propósito de contribuir e acelerar o desenvolvimento da infraestrutura no país e com uma visão inovadora de fazer a diferença no desempenho do equipamento com produtos de alta qualidade que aumentem a produtividade e economia, e focados em serviços que criem um valor adicional alterando a forma como o cliente sente e age em relação à marca, tem como meta ser o maior fornecedor da linha “F.P.S.” em todos os setores que utilizam máquinas pesadas e equipamentos para construção.

Esclarecendo, “G.E.T. – GROUND ENGAGING TOOLS” utilizado internacionalmente, é o mesmo que o termo designado no Brasil “F.P.S. – FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLO” refere-se ao material que entra em contato direto com solo e possui acentuado desgaste pelo efeito abrasivo do solo.

Aproveitando a sigla internacional “G.E.T. – GROUND ENGAGING TOOLS” que dá nome ao segmento, os sócios Simone Gonçalves, 46 anos, juntamente com a Thereza Okada, 37 anos e Eber Miranda, 36 anos, adotaram como a representação e junção dos seus nomes e nasceu uma sociedade perfeita: Simone Gonçalves (G) + Eber (E) + Thereza (T)= G.E.T.

Amigos de longa data, sempre dividiram o sonho de desenvolverem algo maior que fizesse sentido sem abrir mão dos valores que os une. Decidiram unir forças com especialidades individuais que se complementam, e a mesma vontade em alçar grandes voos. Simone e Thereza se especializaram em vendas, propaganda e marketing, com a experiência de mais de uma década que desenvolveram em uma multinacional da indústria farmacêutica, com cursos anuais intensivos de imersão.

Pode parecer estranho duas mulheres com 12 anos de vivência na indústria farmacêutica se inserirem no universo de peças de tratores?

Fácil decifrar este enigma, Simone e Tereza comentam que apesar do posicionamento de amizade e reforçarem “a nossa amizade complementa a nossa essência”, a decisão de entrar em uma sociedade com o Eber, não foi somente uma oportunidade, mas sim porque reconhecem o fator know-how do Eber Miranda desenvolvido pelo tempo dedicados à linha de desgaste. Seu conhecimento vem de uma família empreendedora com mais de 35 anos de tradição provendo o mercado de peças para tratores em todo o Brasil. Começou trocando as férias escolares pelo estoque “almoxarifado” da empresa, onde teve contato com os produtos e códigos e desenvolveu seu conhecimento sobre as peças, conheceu pessoalmente os clientes finais entregando os produtos, desenvolveu um trabalho de controle e organização financeira onde teve excelentes resultados e trouxe reduções que estruturou a empresa familiar para um crescimento sustentável, começou do zero uma indústria de oxicorte passando 3 anos à frente onde criou sistemas de produção e controle de gastos, e pôr fim, a parte comercial veio por instinto de anos no setor e a veia familiar para negócios.

Com esse portfólio diversificado eles tratam o conhecimento como o melhor caminho para o sucesso. O planejamento aprofunda a experiência adquirida no setor de peças de tratores e alinha com um estudo aprofundado com os conhecimentos teóricos, a fim de transformá-los em práticas efetivas. Para atingir a meta, fez-se necessário criar objetivos, planejar as ações, pensar no longo prazo, prever falhas e correr riscos. E reforçam “a nossa amizade complementa a nossa essência”.

Estrategicamente, trabalham de forma coordenada e controlada, com tarefas e atribuições bem definidas, visando um objetivo coletivo, sendo que cada um tem sua responsabilidade e dever específico para contribuir com o todo.

Pautados pela lógica e pela racionalidade, garantem que os processos de gestão ocorram com clareza e transparência. Não seguem um modelo único de organização, pois a empresa tem necessidades e características próprias.

A cultura organizacional da GET sempre foi a chave para ter uma empresa de alto desempenho, começando pela seleção de parceiros comerciais para atender suas necessidades. Os sócios seguiram para  a CHINA com o propósito bem definido: atrair novos fornecedores com alto padrão de qualidade, a começar pelos que respeitavam o fator “ser humano”. Não queriam ter nenhuma associação a empresas que não tratavam bem seus colaboradores.

Eber comenta que “o aço utilizado na GET se diferencia dos demais, pois possuem um processo definido de fundição, fomos atrás de uma assinatura para nossa empresa. Nosso segmento no Brasil é chamado de FPS (sigla de Ferramentas de Penetração no Solo) e na Europa, China é conhecida como GET (Ground Engaging Tools), a mesma tradução. Todos nossos produtos possuem a sigla GET, certamente é um diferencial, afinal visamos para o futuro também representar uma empresa internacional”.

 A abertura oficial da empresa ocorreu em 01/10/2018, foi uma etapa que exigiu muitos cuidados e avaliações, afinal a prioridade era colocar a GET nas mãos de uma empresa bem estruturada e que atendesse na totalidade as necessidades da empresa. Eber visitou em torno de uns cinco escritórios contábeis, mas elegeu a King Contabilidade, uma empresa que neste ano completa 60 anos presente no mercado contábil e oferece uma atenção imparcial para seus clientes, visando o sucesso de cada negócio, possuem processos estruturados, uma equipe altamente qualificada. Vale comentar que a parceria com a King começou muito antes da formalização de abertura da empresa, através de algumas reuniões em que cada departamento da King avaliou e traçou as estratégias necessárias. Atualmente a GET conta com os seguintes serviços da King: contábil, financeiro, BPO financeiro, e semanalmente a empresa conta com a presença de um especialista da KING que atende todas as questões financeiras da GET, já com relação a contabilidade a empresa recebe um atendimento qualificado da colaboradora Natalia Tung, uma profissional qualificada que sempre atende as necessidades de forma imediata.

Resumindo: a King Contabilidade é sinônimo de “Segurança” para eles

Os sócios comentam, “não vendemos somente produtos, prestamos um serviço diferenciado, a principal ideia de trazer uma inovação para esse mercado é o atendimento ao cliente, visualizamos a diferença dos concorrentes e parceiros com uma proposta de atendimento personalizado, pois o cliente precisa de um suporte”.

 

E qual o futuro da G.E.T Tractor?

 

“Para o futuro o foco é importar para atingir outros mercados, expandir para outros lugares, como MG, região do Sudeste, localização dos atuais clientes: Pedreira e Mineração. Ser especializado e realmente seguir na íntegra o lema: “Trazer vantagens inigualáveis para o setor de Pedreira e Mineração”, ser um case de sucesso nesse segmento, para depois pensar em atingir outras partes do segmento de tratores, atualmente estamos focados em GET, Ferramenta de Penetração de solo, mas queremos trabalhar com rodante, partes de perfuração para dinamitar rocha”

Eber Miranda
Simone Gonçalves
Thereza Okada

Por maior que seja, não há obstáculo que não possa ser superado.

Patricia Nobre, 38 anos, paulistana, casada com o visionário Leandro Moraes e mãe do aventureiro João Pedro, conta sua trajetória na coluna “Com quantos talentos se faz o sucesso” da King Contabilidade.

Nascida e criada no bairro Cangaíba, filha de pais separados, sua mãe, Magali Ludgero, é fonte de inspiração, com muita dedicação proporcionou os melhores ensinamentos, exemplo de humanismo, força e superação. Teve uma infância privilegiada! Enquanto sua mãe batalhava pelo pão de cada dia, Patricia ficava sob os cuidados de seus saudosos avós, sempre cercada de amor.

Logo cedo Patrícia já apresentava fortes traços de empreendedora e aos 10 anos de idade vendia geladinho no portão da sua casa, aos 12 entrou para o universo da beleza, fazendo manicure das tias, mesmo se tratando de uma menina, desde cedo contabilizava lucros e resultados. Costumava acompanhar sua avó, Cida, para receber a aposentadoria, momento em que aprendia como lidar com dinheiro. Sempre teve extrema admiração pela independência financeira de sua avó, e claro, desejava trilhar os mesmos caminhos.

Aos 14 anos conquistou seu primeiro emprego em uma vídeo locadora, este trabalho subtraiu os finais de semana da jovem. Mesmo vendo seus amigos curtindo a vida, se manteve firme em seus propósitos, estudando e trabalhando. Lembra emocionada que com seu primeiro salário presenteou sua avó com um telefone sem fio da Panasonic e não parou por aí. Com apenas 16 anos comprou sua primeira moto em um leilão, com a ajuda do seu namorado Leandro, afinal tinham planos de construir um futuro juntos. Com 17 anos ingressou no universo contábil como auxiliar de escrita fiscal em um conceituado grupo varejista de calçados, onde atuou por 5 anos.

No ano de 2005 ingressou na King Contabilidade com o cargo de auxiliar do departamento fiscal, e em 2012 assumiu o atual cargo de Gerente do Departamento Fiscal, comenta com orgulho todas suas conquistas destacando: criação do novo leiaute de trabalho, novos processos, implantou o Sped Fiscal e Contribuições, sempre com o apoio de sua equipe e a confiança da Diretoria. Entre risos recorda que já escriturou diversos livros fiscais, adquirindo bolhas nos dedos, e viu a ponta da caneta desgastar de tanto escrever, usou até um método revolucionário de apagar livro com cândida. Perdeu as contas da quantidade de notas fiscais digitadas no sistema DOS, mas marcou presença na revolução da escrita fiscal em 2008 com a criação da nota fiscal eletrônica e o SPED.

“Este ano completo 15 anos na família King Contabilidade, e nesta trajetória conheci pessoas que ocupam páginas especiais na minha história profissional, Monalisa, Elisangela e Josefina, estas mulheres me inspiram como pessoa e profissional”, comenta Patrícia.

Ressaltou a importância do engajamento da sua equipe, afinal uma equipe motivada supera resultados.

Durante a entrevista a gerente Patricia nos revelou um grande medo, ALTURA. Mas medo é algo que deve ser superado. Pois bem, em março/2019 superou este medo voando de parapente, a grande sensação é subir o mais alto, e voar a maior distância possível usando as forças da natureza. Acreditem, a gerente do departamento fiscal falou com muito orgulho desta superação.

Para encerrar perguntamos sobre sua previsão para os próximos 5 anos.

“Viver uma vida em abundância, conforme os planos de Deus, continuar administrando com sabedoria os dons que Ele me emprestou, obedecendo a sua voz, trilhando um caminho de sucesso no lugar onde Ele me colocou. Crescendo e aprendendo com humildade, liderando uma equipe de vencedores dentro da organização King. Sou grata a Deus por me colocar exatamente onde estou e lembro de quando ainda adolescente orava por todas as coisas que tenho hoje”.

Patricia Nobre

Receita cruzará dados bancários declarados no IRPF, via E-Financeira

Como conhecido pelos contribuintes, uma das obrigações a serem declaradas no Imposto de Renda Pessoa Física é a de bens e direitos, entre elas o Saldo Bancário existente até o dia 31 de dezembro do ano anterior.

E através do sistema de informações E-Financeira, criada pela Instrução Normativa RFB 1.571/2015, a Receita vai checar se os saldos e demais bens e direitos informados pelo contribuinte são compatíveis com a sua variação patrimonial.

Como acontece: os bancos informam, anualmente, os saldos de contas bancárias, aplicações financeiras e outros dados das pessoas físicas e jurídicas, com base em 31 de dezembro de cada ano.

Então, por exemplo, se você tem um saldo aplicado na sua conta corrente/poupança, e não informou o mesmo na sua declaração de IR, a Receita poderá analisar essa informação. Se a soma desse saldo com a variação patrimonial do ano for superior à renda declarada (os rendimentos tributáveis, isentos e não tributáveis), você poderá cair em malha fina e ser chamado para prestar esclarecimentos.

As informações que são transmitidas pelos bancos através da E-Financeira são:

  1. Saldo no último dia útil do ano de qualquer conta de depósito, inclusive de poupança;
  2. Saldo no último dia útil do ano de cada aplicação financeira;
  3. Rendimentos brutos, acumulados anualmente, mês a mês, por aplicações financeiras no decorrer do ano;
  4. Aquisições de moeda estrangeira;
  5. Transferências de moeda e de outros valores para o exterior;

    Ou seja, cada vez mais a Receita Federal está buscando recursos para fiscalizar as empresas e pessoas físicas a fim de combater a evasão fiscal. Portanto, organize-se e informe corretamente seus dados!

    Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com a Equipe de Especialistas de Imposto de Renda da King!

Supercomputadores da RFB, os dedos duros dos contribuintes

Cada ano o cerco está mais apertado, burlar informações para RFB está impraticável, afinal a Receita utiliza inúmeros filtros, que são acrescentados ano a ano, para conferir as informações apresentadas pelos contribuintes. O chamado cruzamento de dados é a ferramenta que revela inconsistências das informações, portanto fique atento aos dados entre os seguintes órgãos e declarações.

  • Cartórios de Notas por meio das declarações de Operações imobiliárias
  • Declarações de Imposto Renda retidos na fonte – DIRF
  • Declaração de Informação sobre Atividades Imobiliárias – DIMOB
  • Declaração de Serviços Médicos – DMED
  • Declaração de Informações sobre Movimentações Financeiras – DIMOF
  • Imposto sobre Transmissão de Causas Mortis e doação – ITCMD

Veja os casos que a RFB pode localizar inconsistências:

  • Compra e venda de imóveis; através dos cartórios de Notas e da DOI, a RFB tem informações quando ocorreu a compra ou venda do imóvel, se consta na declaração e se há necessidade de pagamento de imposto sobre eventual lucro na venda.
  • Rendimento e IR retido na fonte; as fontes pagadoras, PJ ou PF, entregam a DIRF com o objetivo de informar a RFB dados dos rendimentos pagos a pessoas físicas
  • Rendimentos de alugueis; imobiliárias apresentam anualmente à RFB a declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias – DIMOB, sendo assim os valores pagos pelas pessoas físicas aos locadores será cruzado com o contribuinte que pagou e recebeu.
  • Movimentações financeiras; bancos, corretoras, prestam informações à RFB através da Declaração de Informações sobre Movimentação Financeira – DIMOF, momento que é apresentado as movimentações financeiras de cada usuário.
  • Venda de ações; lucro obtido em operações de venda de ações na Bolsa de Valores é passível ao recolhimento do IR, e o próprio contribuinte é responsável pelo recolhimento

Fica a dica, a transparência das informações é o caminho mais curto e certo.