Contribuinte deve ter atenção na hora de incluir pais, avós e bisavós na declaração do Imposto de Renda

Uma das formas de reduzir o imposto ou aumentar a restituição permitidas por lei, é a inclusão de dependentes idosos – pais, avós ou bisavós – na declaração de Imposto de Renda, porém algumas regras devem ser respeitadas.

Conforme a legislação vigente, pode ser incluído como dependente na declaração do Imposto de Renda, pais, avós, bisavós e sogros (na declaração conjunta do casal) que tenham auferido durante o ano de 2019 o limite de isenção anual R$ 22.847,76.

A King Contabilidade apresenta o que é permitido ou não declarar, acompanhe:

É possível declarar pais, avós e bisavós que tenham recebido rendimentos de até R$ 22.847,76 em 2019. Acima deste valor estão excluídos de serem apresentados como dependentes.

  1. No caso destes antecedentes serem considerados totalmente incapazes, mesmo com rendimentos superiores, poderá ser incluído na declaração como dependente.
  2. Gastos com saúde dos dependentes idosos como: médico, dentista, psicólogo, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, terapeutas ocupacionais, despesas hospitalares, exames laboratoriais, serviços radiológicos, aparelhos ortopédicos e próteses ortopédicas ou dentárias, poderão ser deduzidas; Lembrando que é necessário a apresentação de todos os recibos que comprovem os gastos acima relacionados.
  3. O dependente idoso que aufere aposentadoria, alugueis, investimentos ou qualquer outro tipo de renda, é obrigatório que apresente estes rendimentos na declaração, reforçando que a soma destes rendimentos não poderá ultrapassar R$ 22.847,76

Mas atenção, o contribuinte está obrigado a informar todos os rendimentos de cada dependente.

Fique ligado e peça orientação para quem entende do assunto.

King Contabilidade, com milhares de declarações executadas, disponibiliza seus especialistas em IR para ajudar os contribuintes neste ajuste de contas com o Leão 2020.

Como deve ser declarada a previdência privada PGBL e VGBL na declaração de 2020

As pessoas que durante o ano de 2019 fizeram aportes em previdência privada ou realizaram resgates destes planos  precisam informar estas ocorrências na declaração de Imposto de Renda a ser entregue de 2 de março a 30 de abril de 2020.

Para isso o declarante deve ficar atento às observações abaixo, tendo em vista que as informações a serem prestadas à Receita Federal varia,  pois cada plano tem uma regra diferente.

 

PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre)

Os aportes realizados em previdência privada do tipo PGBL são dedutíveis da base de cálculo do imposto de renda  até o limite de 12% da renda bruta tributável no ano. Mas essa dedução só pode ser efetuada se o declarante optar pela declaração pelo modelo completo.

Vale observar que o rendimento decorrente do PGBL não está isento de importo de renda, pois por ocasião do resgate, o tributo incidirá não apenas sobre os ganhos acumulados, mas também sobre todo o dinheiro aplicado no plano, independentemente de registrar ganhos ou perdas, ou seja, sobre todo o valor resgatado.

A previdência privada  PGBL deve ser informada na ficha “Pagamentos Efetuados” e escolher a opção “36 – Previdência Complementar”.

 

VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre)

O VGBL é enquadrado como seguro e por isso não pode ser deduzido do IR.

Os aportes realizados durante 2019 em previdência privada do tipo VGBL (Vida Gerador de Benefício Livre), diferentemente do PGLB, devem ser informados na ficha “Bens e Direitos”,  opção “97 – VGBL – Vida Gerador de Benefício Livre”.

 

PGBL/VGBL (Resgates)

A informação dos resgates de planos de previdência privada PGBL e VGBL depende do regime de tributação: progressivo ou regressivo.

Se a opção foi pela tributação progressiva compensável, os resgates sofrem a incidência de IR na fonte feita com base na alíquota única de 15%, de forma antecipada, com posterior ajuste na declaração anual de Imposto de Renda.

No recebimento do rendimento, a incidência de Imposto de Renda é feita de acordo com a Tabela Progressiva vigente à época do recebimento.

No caso de resgates dos Planos tradicionais, a incidência de IR na fonte, feita com base na alíquota única de 15% não se aplica, mas obedece às alíquotas da tabela progressiva vigente.

No caso de tributação regressiva definitiva, a incidência do imposto de renda ocorre de forma definitiva e exclusiva na fonte, no resgate ou no recebimento de renda. É variável, começando com alíquota de 35%, com redução de 5% a cada 2 anos, até atingir 10% para prazos acima de 10 anos.

Por fim, vale salientar que devem ser informados todos os rendimentos tributáveis decorrentes de previdência complementar pelo titular da declaração e pelos dependentes, mesmo que esses rendimentos não tenham sofrido tributação na fonte por estarem dentro do limite anual de isenção de R$ 28.559,70 (o mesmo do ano passado), ou ainda que os dependentes beneficiários dos rendimentos sejam menores de idade.

King Contabilidade revela os principais erros do contribuinte na execução do IRPF

Muitos motivos levam o contribuinte a cair na malha fina, desde um simples erro de digitação à não inclusão de algum rendimento próprio, ou ainda um volume alto de gastos de saúde declarados erroneamente. Muitos fatores podem ser considerados “suspeitos” pela Receita.

Lembrando que a RFB disponibiliza para o contribuinte a possibilidade do mesmo saber se caiu na malha fina em até 24 horas após o envio dos dados, assim é possível corrigir qualquer erro antes de ser chamado a prestar contas pelo fisco.

Acompanhe os erros que não devem ser cometidos na Declaração do Imposto de Renda:

  1. Declarar doações que não possuem incentivo fiscal

Nem toda organização social está credenciada a receber esse tipo de doação. Antes de decidir doar o valor, é importante certificar-se quais instituições atendem aos pré-requisitos, portanto são dedutíveis apenas aquelas que se destinarem para instituições que possuam cadastro no governo e tenham incentivo tributário. Destacamos os projetos com aprovação do Ministério da Cultura, como os que se enquadram na Lei Rouanet e na Lei de Incentivo para Atividades Audiovisuais, projetos com aprovação do Ministério do Esporte e que se enquadrem na Lei de Incentivo ao Esporte, Fundos Municipais, Estaduais e Federais da Criança, do Adolescente (enquadrados no Estatuto da Criança e do Adolescente) e do Idoso.

  1. Digitação errada no campo de valores

Este erro é o astro da lista, afinal muitas declarações caem na malha fina por conta de erros de digitação, devido à pressa ou falta de atenção. Esses valores são cruzados com os valores que a Receita já possui e, caso sejam diferentes, o contribuinte pode ser chamado para se justificar.

É importante notar que o programa de declaração não aceita mais o ponto como separador dos centavos, pois isso gerava muitos erros. Se nada for digitado, automaticamente serão acrescentados dois zeros após a vírgula.

  1. Erros na ficha de rendimentos tributáveis

Um outro problema é não informar corretamente, ou até não informar, o CNPJ das fontes pagadoras no campo apropriado.

  1. Informar dados incompatíveis com os comprovantes de rendimentos

Lançar valores diferentes dos que estão nos comprovantes de rendimento fornecidos pela fonte pagadora é imprescindível. Supondo que alguma fonte pagadora apresente um comprovante com algum tipo de inconsistência, será necessário em caráter de urgência solicitar um novo comprovante à fonte pagadora, pois ela deverá corrigir também as informações enviadas anteriormente à Receita.

  1. Omissão de rendimentos

Sou aposentado e recebo o ínfimo aluguel de R$ 500,00, preciso declarar? É fundamental declarar todos seus rendimentos. E pessoas que recebem rendimentos do exterior, mesmo que os valores não sejam expressivos, é necessário comunicar à Receita. Lembrando que na hora de fazer o cruzamento dos dados, se não informar corretamente os ganhos, pode acabar indo parar na malha fina.

  1. Esquecer receitas dos dependentes

É comum lembrar do dependente apenas no momento da Dedução e esquecer de mencionar os rendimentos destes dependentes, pois esses rendimentos são somados aos do declarante. Portanto, caso os dependentes receberam algum valor comprovável durante o ano de 2019, é necessário informar esse valor no campo correspondente.

  1. Despesas médicas sem comprovação

Este erro merece destaque, afinal grande parte da malha fina tem relação com despesas médicas. Muitas pessoas declaram nas despesas médicas valores que não têm comprovação fiscal ou até valores de procedimentos que não são dedutíveis.

*Lembrando que um recibo não tem valor fiscal, é necessário ter Nota Fiscal.

  1. Atualização do valor do bem

Os imóveis e automóveis devem ser declarados pelo seu custo de aquisição, como indicação da RFB.

Em casos em que grandes reformas ocorridas em imóveis, como a colocação de armários embutidos ou de piso, os gastos podem ser utilizados para a atualização do valor do imóvel, mas deve haver comprovação das despesas. Então é importante que se guarde todos os comprovantes pelo prazo de 5 anos.

  1. Valores relacionados a pensões alimentícias

Há obrigações tanto para quem recebe pensão alimentícia quanto para quem paga. Aqueles que recebem esses valores devem declarar como ganhos, independentemente da quantia. Já quem faz o pagamento de pensão pode deduzir integralmente o valor pago no campo “Pagamentos Efetuados”. Contudo, isso só deve ocorrer se houver uma decisão judicial ou um acordo homologado em cartório. Em ambos os casos, é claro, torna-se indispensável a comprovação por meio de documentos.

  1. Rendas de aluguéis

São duas pontas: os que pagam aluguel e os que recebem. Ambos devem mencionar esses valores em suas declarações de imposto de renda. No caso de valor recebido, trata-se de um rendimento tributável e, por isso, deve ser informado sempre.

Já para aqueles que pagam, a informação deve estar inclusa no campo “Pagamentos Efetuados”, com isso a RFB cruza as informações. Portanto se uma das pontas se omitir, os contribuintes podem ser chamados para prestar justificativas.

  1. Inclusão de dependentes em mais de uma declaração

Por exemplo, o filho de um casal em que ambos declaram IRPF, e que se enquadra como dependente, deve ser incluído em apenas uma das declarações. Não pode ser incluído nas duas.

Dessa forma, analise em qual das duas opções a inclusão de um dependente é capaz de conceder mais descontos relacionados aos valores a pagar. A dupla inclusão fará com que os dois acabem caindo na malha fina, gerando até mesmo multas duplicadas.

  1. Não informar ganhos com ações

Quem negocia ações, tem obrigatoriedade de informar tal operação na declaração de IR. De acordo com as regras estipuladas pela Receita Federal, ganhos com ações acima de R$ 20 mil precisam obrigatoriamente ser declarados e o imposto sobre eles deve ser recolhido. Solicite as notas de corretagem e as DARF´s à sua corretora. E caso não saiba como lançar, converse com um especialista em Imposto de Rend

Novas Regras de Higiene e Conforto nos Locais de Trabalho

A Secretaria Especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia através da Portaria SEPRT nº 1.066/2019, determinou novos procedimentos que deverão ser observados pelas organizações empresariais, quanto às Condições de Higiene e Conforto nos Locais de Trabalho, de acordo com a nova redação da NR 24, conforme segue abaixo:

 

Objetivo e campo de aplicação:

As empresas deverão observar as condições mínimas de higiene e de conforto, devendo o dimensionamento de todas as instalações ter como base o número de trabalhadores usuários do turno com maior contingente;

 

Instalações sanitárias:

Deve ser atendida a proporção mínima de uma instalação sanitária para cada 20 trabalhadores, separadas por sexo.

Os estabelecimentos com funções comerciais, administrativas ou similares com até 10 trabalhadores, poderão disponibilizar apenas uma instalação sanitária individual de uso comum entre os sexos, desde que garantidas condições de privacidade;

 

Componentes sanitários:

Bacias sanitárias, mictórios, lavatórios e, havendo a exigência por conta da atividade da empresa, chuveiros, vestiários e armários;

 

Locais para refeições:

Oferecer condições de conforto e higiene para as refeições, permitida a divisão dos trabalhadores do turno, em grupos para tomada de refeições, dispensados nos seguintes casos:

 

– estabelecimentos bancários e atividades afins com 2 horas de almoço,
– estabelecimentos industriais localizados no interior, quando a proximidade permitir refeições nas próprias residências,
– estabelecimentos que oferecem vale-refeição, desde que sejam dadas condições para conservação e aquecimento da comida;

 

Cozinhas:
Quando as empresas possuírem, deverão atender as condições estabelecidas;

 

Vestimenta de trabalho:
É toda peça ou conjunto de peças de vestuário, destinada a atender exigências de determinadas atividades ou condições de trabalho que impliquem contato com sujeiras, agentes químicos, físicos ou biológicos ou para permitir que o trabalhador seja mais bem visualizado, não considerada como uniforme ou EPI;

 

Água potável:
Fornecimento obrigatório em todos os locais de trabalho, sendo proibido o uso de copos coletivos. Deverá ser feito por meio de bebedouros, na proporção de no mínimo um para cada grupo de 50 trabalhadores;

 

As lojas de qualquer natureza e quiosques, entre outras, localizadas dentro de Shopping Center estão desobrigadas de cumprir os itens relativos às instalações sanitárias, vestiários e locais para refeições, desde que os trabalhadores possam utilizar as instalações do Shopping Center ou outro espaço destinado a estes fins, conforme estabelecido na norma.

Quem está obrigado apresentar a Declaração de Saída Definitiva do País em 2020?

Muitas pessoas decidem deixar o Brasil em busca de novas oportunidades. Dados da RFB mostram que nos primeiros sete meses de 2019, 21.873 declarações de saída definitiva do país foram entregues à Receita Federal, valor que corresponde a 94% das declarações entregues ao órgão em todo o ano de 2018.

É considerado como saída definitiva do país, quando a pessoa deixa o território brasileiro e cumpre, dentro dos prazos legais, os requisitos formais para que seja considerada não residente. O contribuinte perde a condição de residente fiscal no Brasil imediatamente, na data informada da sua saída.

Não ocorrendo a apresentação da comunicação entre a data da saída definitiva e o último dia de fevereiro do ano-calendário subsequente, ele apenas deixará de ser considerado residente fiscal no Brasil após o 12º mês consecutivo de ausência.

A legislação tributária prevê duas obrigações a cumprir perante a RFB para formalizar a saída fiscal: a Comunicação de Saída Definitiva (CSD), e a Declaração de Saída Definitiva do País (DSDP).

A CSD é um formulário eletrônico que informa à RFB os seguintes dados: a data da perda da condição de residente fiscal no Brasil,

se houver, o nome e CPF dos dependentes que devem acompanhar o contribuinte se for o caso, o nome, CPF e endereço completo do procurador nomeado pelo contribuinte para realizar quaisquer procedimentos perante a RFB.

Não é possível entregar uma CSD com atraso, pois a RFB somente disponibiliza o formulário eletrônico durante o prazo de entrega. Portantoquem deixou o Brasil em 2019 deverá transmitir a CSD até 29.02.2020. A penalidade para quem descumprir o prazo é permanecer como cidadão fiscal no Brasil por um ano após a saída temporária, definitiva ou a data em que se configurou como não residente no país.

A Declaração de Saída Definitiva do País – DSDP equivale a uma Declaração de Imposto de Renda tradicional. Abrange o período entre o dia 1º de janeiro e a data da perda da condição de residente fiscal no Brasil.  A DSDP apresenta todos os rendimentos auferidos pelo contribuinte, bens existentes, com a devida apuração de impostos, a recolher ou restituir.Para aqueles que deixaram o Brasil em 2019, a DSDP deverá ser entregue durante os meses de março e abril de 2020.

Já a DSDP pode ser entregue após a perda do prazo. Nesse caso, ocorrerá ônus, eventual imposto e acréscimos legais pelo atraso, a DSDP poderá ser transmitida em até 5 anos após o prazo normal de entrega.

Vale ressaltar que a pessoa física que efetuou a saída fiscal não deixa de ter o CPF ativo, afinal o CPF é um número de identificação permanente. Tendo formalizada a saída fiscal, o CPF é atualizado com status de não residente.

Nas situações em que a saída não é formalizada adequadamente, o CPF pode tornar-se: pendente de regularização ou suspenso.

Fazer a opção de morar fora do país exige cuidados especiais com o Fisco, muitos brasileiros desejam preservar algum tipo de laço seja com investimentos financeiros ou imóveis, como diz o ditado “O bom filho a casa torna”.

King Contabilidade

A G.E.T Tractor não vende apenas produtos, vende inovação.

A King foi até a G.E.T. Tractor conhecer a trajetória desta jovem empresa que atua no segmento de peças de trator, setor ligado a infraestrutura, onde se utilizam máquinas de tração “tratores”, conhecida como “linha amarela”.

Com o propósito de contribuir e acelerar o desenvolvimento da infraestrutura no país e com uma visão inovadora de fazer a diferença no desempenho do equipamento com produtos de alta qualidade que aumentem a produtividade e economia, e focados em serviços que criem um valor adicional alterando a forma como o cliente sente e age em relação à marca, tem como meta ser o maior fornecedor da linha “F.P.S.” em todos os setores que utilizam máquinas pesadas e equipamentos para construção.

Esclarecendo, “G.E.T. – GROUND ENGAGING TOOLS” utilizado internacionalmente, é o mesmo que o termo designado no Brasil “F.P.S. – FERRAMENTAS DE PENETRAÇÃO DE SOLO” refere-se ao material que entra em contato direto com solo e possui acentuado desgaste pelo efeito abrasivo do solo.

Aproveitando a sigla internacional “G.E.T. – GROUND ENGAGING TOOLS” que dá nome ao segmento, os sócios Simone Gonçalves, 46 anos, juntamente com a Thereza Okada, 37 anos e Eber Miranda, 36 anos, adotaram como a representação e junção dos seus nomes e nasceu uma sociedade perfeita: Simone Gonçalves (G) + Eber (E) + Thereza (T)= G.E.T.

Amigos de longa data, sempre dividiram o sonho de desenvolverem algo maior que fizesse sentido sem abrir mão dos valores que os une. Decidiram unir forças com especialidades individuais que se complementam, e a mesma vontade em alçar grandes voos. Simone e Thereza se especializaram em vendas, propaganda e marketing, com a experiência de mais de uma década que desenvolveram em uma multinacional da indústria farmacêutica, com cursos anuais intensivos de imersão.

Pode parecer estranho duas mulheres com 12 anos de vivência na indústria farmacêutica se inserirem no universo de peças de tratores?

Fácil decifrar este enigma, Simone e Tereza comentam que apesar do posicionamento de amizade e reforçarem “a nossa amizade complementa a nossa essência”, a decisão de entrar em uma sociedade com o Eber, não foi somente uma oportunidade, mas sim porque reconhecem o fator know-how do Eber Miranda desenvolvido pelo tempo dedicados à linha de desgaste. Seu conhecimento vem de uma família empreendedora com mais de 35 anos de tradição provendo o mercado de peças para tratores em todo o Brasil. Começou trocando as férias escolares pelo estoque “almoxarifado” da empresa, onde teve contato com os produtos e códigos e desenvolveu seu conhecimento sobre as peças, conheceu pessoalmente os clientes finais entregando os produtos, desenvolveu um trabalho de controle e organização financeira onde teve excelentes resultados e trouxe reduções que estruturou a empresa familiar para um crescimento sustentável, começou do zero uma indústria de oxicorte passando 3 anos à frente onde criou sistemas de produção e controle de gastos, e pôr fim, a parte comercial veio por instinto de anos no setor e a veia familiar para negócios.

Com esse portfólio diversificado eles tratam o conhecimento como o melhor caminho para o sucesso. O planejamento aprofunda a experiência adquirida no setor de peças de tratores e alinha com um estudo aprofundado com os conhecimentos teóricos, a fim de transformá-los em práticas efetivas. Para atingir a meta, fez-se necessário criar objetivos, planejar as ações, pensar no longo prazo, prever falhas e correr riscos. E reforçam “a nossa amizade complementa a nossa essência”.

Estrategicamente, trabalham de forma coordenada e controlada, com tarefas e atribuições bem definidas, visando um objetivo coletivo, sendo que cada um tem sua responsabilidade e dever específico para contribuir com o todo.

Pautados pela lógica e pela racionalidade, garantem que os processos de gestão ocorram com clareza e transparência. Não seguem um modelo único de organização, pois a empresa tem necessidades e características próprias.

A cultura organizacional da GET sempre foi a chave para ter uma empresa de alto desempenho, começando pela seleção de parceiros comerciais para atender suas necessidades. Os sócios seguiram para  a CHINA com o propósito bem definido: atrair novos fornecedores com alto padrão de qualidade, a começar pelos que respeitavam o fator “ser humano”. Não queriam ter nenhuma associação a empresas que não tratavam bem seus colaboradores.

Eber comenta que “o aço utilizado na GET se diferencia dos demais, pois possuem um processo definido de fundição, fomos atrás de uma assinatura para nossa empresa. Nosso segmento no Brasil é chamado de FPS (sigla de Ferramentas de Penetração no Solo) e na Europa, China é conhecida como GET (Ground Engaging Tools), a mesma tradução. Todos nossos produtos possuem a sigla GET, certamente é um diferencial, afinal visamos para o futuro também representar uma empresa internacional”.

 A abertura oficial da empresa ocorreu em 01/10/2018, foi uma etapa que exigiu muitos cuidados e avaliações, afinal a prioridade era colocar a GET nas mãos de uma empresa bem estruturada e que atendesse na totalidade as necessidades da empresa. Eber visitou em torno de uns cinco escritórios contábeis, mas elegeu a King Contabilidade, uma empresa que neste ano completa 60 anos presente no mercado contábil e oferece uma atenção imparcial para seus clientes, visando o sucesso de cada negócio, possuem processos estruturados, uma equipe altamente qualificada. Vale comentar que a parceria com a King começou muito antes da formalização de abertura da empresa, através de algumas reuniões em que cada departamento da King avaliou e traçou as estratégias necessárias. Atualmente a GET conta com os seguintes serviços da King: contábil, financeiro, BPO financeiro, e semanalmente a empresa conta com a presença de um especialista da KING que atende todas as questões financeiras da GET, já com relação a contabilidade a empresa recebe um atendimento qualificado da colaboradora Natalia Tung, uma profissional qualificada que sempre atende as necessidades de forma imediata.

Resumindo: a King Contabilidade é sinônimo de “Segurança” para eles

Os sócios comentam, “não vendemos somente produtos, prestamos um serviço diferenciado, a principal ideia de trazer uma inovação para esse mercado é o atendimento ao cliente, visualizamos a diferença dos concorrentes e parceiros com uma proposta de atendimento personalizado, pois o cliente precisa de um suporte”.

 

E qual o futuro da G.E.T Tractor?

 

“Para o futuro o foco é importar para atingir outros mercados, expandir para outros lugares, como MG, região do Sudeste, localização dos atuais clientes: Pedreira e Mineração. Ser especializado e realmente seguir na íntegra o lema: “Trazer vantagens inigualáveis para o setor de Pedreira e Mineração”, ser um case de sucesso nesse segmento, para depois pensar em atingir outras partes do segmento de tratores, atualmente estamos focados em GET, Ferramenta de Penetração de solo, mas queremos trabalhar com rodante, partes de perfuração para dinamitar rocha”

Eber Miranda
Simone Gonçalves
Thereza Okada

Por maior que seja, não há obstáculo que não possa ser superado.

Patricia Nobre, 38 anos, paulistana, casada com o visionário Leandro Moraes e mãe do aventureiro João Pedro, conta sua trajetória na coluna “Com quantos talentos se faz o sucesso” da King Contabilidade.

Nascida e criada no bairro Cangaíba, filha de pais separados, sua mãe, Magali Ludgero, é fonte de inspiração, com muita dedicação proporcionou os melhores ensinamentos, exemplo de humanismo, força e superação. Teve uma infância privilegiada! Enquanto sua mãe batalhava pelo pão de cada dia, Patricia ficava sob os cuidados de seus saudosos avós, sempre cercada de amor.

Logo cedo Patrícia já apresentava fortes traços de empreendedora e aos 10 anos de idade vendia geladinho no portão da sua casa, aos 12 entrou para o universo da beleza, fazendo manicure das tias, mesmo se tratando de uma menina, desde cedo contabilizava lucros e resultados. Costumava acompanhar sua avó, Cida, para receber a aposentadoria, momento em que aprendia como lidar com dinheiro. Sempre teve extrema admiração pela independência financeira de sua avó, e claro, desejava trilhar os mesmos caminhos.

Aos 14 anos conquistou seu primeiro emprego em uma vídeo locadora, este trabalho subtraiu os finais de semana da jovem. Mesmo vendo seus amigos curtindo a vida, se manteve firme em seus propósitos, estudando e trabalhando. Lembra emocionada que com seu primeiro salário presenteou sua avó com um telefone sem fio da Panasonic e não parou por aí. Com apenas 16 anos comprou sua primeira moto em um leilão, com a ajuda do seu namorado Leandro, afinal tinham planos de construir um futuro juntos. Com 17 anos ingressou no universo contábil como auxiliar de escrita fiscal em um conceituado grupo varejista de calçados, onde atuou por 5 anos.

No ano de 2005 ingressou na King Contabilidade com o cargo de auxiliar do departamento fiscal, e em 2012 assumiu o atual cargo de Gerente do Departamento Fiscal, comenta com orgulho todas suas conquistas destacando: criação do novo leiaute de trabalho, novos processos, implantou o Sped Fiscal e Contribuições, sempre com o apoio de sua equipe e a confiança da Diretoria. Entre risos recorda que já escriturou diversos livros fiscais, adquirindo bolhas nos dedos, e viu a ponta da caneta desgastar de tanto escrever, usou até um método revolucionário de apagar livro com cândida. Perdeu as contas da quantidade de notas fiscais digitadas no sistema DOS, mas marcou presença na revolução da escrita fiscal em 2008 com a criação da nota fiscal eletrônica e o SPED.

“Este ano completo 15 anos na família King Contabilidade, e nesta trajetória conheci pessoas que ocupam páginas especiais na minha história profissional, Monalisa, Elisangela e Josefina, estas mulheres me inspiram como pessoa e profissional”, comenta Patrícia.

Ressaltou a importância do engajamento da sua equipe, afinal uma equipe motivada supera resultados.

Durante a entrevista a gerente Patricia nos revelou um grande medo, ALTURA. Mas medo é algo que deve ser superado. Pois bem, em março/2019 superou este medo voando de parapente, a grande sensação é subir o mais alto, e voar a maior distância possível usando as forças da natureza. Acreditem, a gerente do departamento fiscal falou com muito orgulho desta superação.

Para encerrar perguntamos sobre sua previsão para os próximos 5 anos.

“Viver uma vida em abundância, conforme os planos de Deus, continuar administrando com sabedoria os dons que Ele me emprestou, obedecendo a sua voz, trilhando um caminho de sucesso no lugar onde Ele me colocou. Crescendo e aprendendo com humildade, liderando uma equipe de vencedores dentro da organização King. Sou grata a Deus por me colocar exatamente onde estou e lembro de quando ainda adolescente orava por todas as coisas que tenho hoje”.

Patricia Nobre

Receita cruzará dados bancários declarados no IRPF, via E-Financeira

Como conhecido pelos contribuintes, uma das obrigações a serem declaradas no Imposto de Renda Pessoa Física é a de bens e direitos, entre elas o Saldo Bancário existente até o dia 31 de dezembro do ano anterior.

E através do sistema de informações E-Financeira, criada pela Instrução Normativa RFB 1.571/2015, a Receita vai checar se os saldos e demais bens e direitos informados pelo contribuinte são compatíveis com a sua variação patrimonial.

Como acontece: os bancos informam, anualmente, os saldos de contas bancárias, aplicações financeiras e outros dados das pessoas físicas e jurídicas, com base em 31 de dezembro de cada ano.

Então, por exemplo, se você tem um saldo aplicado na sua conta corrente/poupança, e não informou o mesmo na sua declaração de IR, a Receita poderá analisar essa informação. Se a soma desse saldo com a variação patrimonial do ano for superior à renda declarada (os rendimentos tributáveis, isentos e não tributáveis), você poderá cair em malha fina e ser chamado para prestar esclarecimentos.

As informações que são transmitidas pelos bancos através da E-Financeira são:

  1. Saldo no último dia útil do ano de qualquer conta de depósito, inclusive de poupança;
  2. Saldo no último dia útil do ano de cada aplicação financeira;
  3. Rendimentos brutos, acumulados anualmente, mês a mês, por aplicações financeiras no decorrer do ano;
  4. Aquisições de moeda estrangeira;
  5. Transferências de moeda e de outros valores para o exterior;

    Ou seja, cada vez mais a Receita Federal está buscando recursos para fiscalizar as empresas e pessoas físicas a fim de combater a evasão fiscal. Portanto, organize-se e informe corretamente seus dados!

    Caso tenha alguma dúvida, entre em contato com a Equipe de Especialistas de Imposto de Renda da King!

Supercomputadores da RFB, os dedos duros dos contribuintes

Cada ano o cerco está mais apertado, burlar informações para RFB está impraticável, afinal a Receita utiliza inúmeros filtros, que são acrescentados ano a ano, para conferir as informações apresentadas pelos contribuintes. O chamado cruzamento de dados é a ferramenta que revela inconsistências das informações, portanto fique atento aos dados entre os seguintes órgãos e declarações.

  • Cartórios de Notas por meio das declarações de Operações imobiliárias
  • Declarações de Imposto Renda retidos na fonte – DIRF
  • Declaração de Informação sobre Atividades Imobiliárias – DIMOB
  • Declaração de Serviços Médicos – DMED
  • Declaração de Informações sobre Movimentações Financeiras – DIMOF
  • Imposto sobre Transmissão de Causas Mortis e doação – ITCMD

Veja os casos que a RFB pode localizar inconsistências:

  • Compra e venda de imóveis; através dos cartórios de Notas e da DOI, a RFB tem informações quando ocorreu a compra ou venda do imóvel, se consta na declaração e se há necessidade de pagamento de imposto sobre eventual lucro na venda.
  • Rendimento e IR retido na fonte; as fontes pagadoras, PJ ou PF, entregam a DIRF com o objetivo de informar a RFB dados dos rendimentos pagos a pessoas físicas
  • Rendimentos de alugueis; imobiliárias apresentam anualmente à RFB a declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias – DIMOB, sendo assim os valores pagos pelas pessoas físicas aos locadores será cruzado com o contribuinte que pagou e recebeu.
  • Movimentações financeiras; bancos, corretoras, prestam informações à RFB através da Declaração de Informações sobre Movimentação Financeira – DIMOF, momento que é apresentado as movimentações financeiras de cada usuário.
  • Venda de ações; lucro obtido em operações de venda de ações na Bolsa de Valores é passível ao recolhimento do IR, e o próprio contribuinte é responsável pelo recolhimento

Fica a dica, a transparência das informações é o caminho mais curto e certo.

Felicidade é a base de tudo!

Neusa Souza, paulistana, contabilista, estudante de direito, mãe do Daniel e avó do Kevin, conta sua trajetória na Coluna “Com quantos talentos se faz o sucesso” da King Contabilidade.

De uma família humilde de 5 irmãos, enfrentaram muitos desafios. “Somos sobreviventes, e agradeço a Deus por todas as conquistas alcançadas até hoje”, afirma Neusa

Em 1987, trabalhou em escritório de contabilidade no bairro da Luz, nesta empresa era responsável por toda rotina do escritório, fiscal, pessoal e contábil. Neste mesmo ano decidiu ir morar no litoral paulista, momento em que encontrou sérias dificuldades para recolocação profissional, o que impediu sua permanência lá, retornando para a capital no ano seguinte, juntamente com seu filho, que na época tinha 6 anos de idade.

Em 1988, passando pela região da Penha, na Rua Coronel Meireles, visualizou uma empresa contábil, a King Contabilidade. Imediatamente desceu do ônibus e foi recepcionada por uma placa ADMITE-SE. “Pensei, essa é a minha chance de conseguir um emprego! Falei com a recepcionista, participei de todo processo seletivo, e no dia seguinte, 11/10/1988, já fazia parte do quadro de colaboradores da King Contabilidade. Certamente este dia estava escrito nas estrelas, pois já são 31 anos e 3 meses que faço parte desta grande família”, comenta Neusa.

Ao longo destes anos alcançou algumas promoções, e em abril de 2000 assumiu o atual cargo de Gerente do Departamento Contábil da King. Passou por inúmeras transformações ao longo destes trinta anos, como a revolução tecnológica e as mudanças diárias na legislação, mas sempre aprendendo e aprimorando seus conhecimentos.

Neusa comenta a importância de buscar a qualificação para atender de forma positiva a todo tipo de mudança ao longo destes anos. Na contratação de profissionais para sua área sempre orienta os candidatos da necessidade de desempenharem suas funções com plena satisfação e alegria, afinal o principal pilar da King é oferecer qualidade e dedicação para os clientes, sendo a remuneração uma consequência.

Destaca os seguintes nomes: Dr. Hatiro Shimomoto, Márcio Shimomoto e Ricardo Terumi Umeda, pela confiança depositada na trajetória de todos os profissionais da empresa.

Seu principal hobby é dançar rock. Mesmo não havendo oportunidade de ir para uma balada com seus amigos, não hesita em improvisar uma pista de dança em sua sala e deslizar na pista. Afinal seu slogan é: Está estressado? Então dance!

Para encerrar a matéria indagamos qual a previsão para os próximos 5 anos.

Minhas perspectivas para o futuro é continuar na KING no intuito de atender bem e cada vez melhor os clientes, que são a razão de nossa existência, e ser feliz sempre”, finaliza a gerente Neusa Souza.