LGPD na política de home office

Com a implementação da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) surge a necessidade de aprimoramento das políticas de home office das empresas, visando a segurança das informações que os colaboradores manipulam de suas residências. Levando-se em conta que muitas empresas nos últimos anos já adotaram a política de home office, é necessário conscientizar todos das diretrizes da LGPD por meio de treinamentos virtuais, webinars ou “lives” sobre a aplicação da lei no home office.

O acesso remoto ao servidor das empresas por meio de equipamentos particulares, como notebooks, requer adoção de medidas técnicas e organizacionais para a proteção dos dados de pessoa física acessados remotamente, buscando a implementação de ferramentas de TI mais seguras, com senhas, e até controles de acessos ou de “logs” aos servidores das empresas, uso da nuvem, dentre outros.

Existe a possibilidade da empresa deixar o home office de forma parcial, intercalando dias no escritório e na residência, uma vez que ao fazê-lo nas instalações da empresa é a forma mais segura e com a devida confidencialidade tecnológica e documental, a fim de evitar riscos de incidentes com vazamentos dos dados.

Acompanhe algumas medidas que poderão ser adotadas para garantir o cumprimento da LGPD:

 

  • Priorizar as soluções digitais ao invés do papel, afinal as soluções digitais proporcionam maior rastreabilidade.
  • Treinamentos – Seus colaboradores necessitam de conscientização da importância da LGPD e domínio nos procedimentos de segurança adotados pela empresa.
  • Políticas – crie protocolos e não esqueça de implantar um contrato de confidencialidade com seus colaboradores, terceiros e clientes.
  • Tecnologia segura – Acesse a rede da empresa por uma VPN e disponibilize antivírus licenciado e atualizado para toda empresa.
  • Use ferramentas para ser possível rastrear o fluxo da informação dentro da empresa e entre os departamentos.
  • Bloqueio – Oriente seus colaboradores a quando se afastarem da sua estação de trabalho, bloquear a tela do computador, para que pessoas não autorizadas tenham acesso aos dados pessoais.
  • Bloqueie as informações para que elas não sejam salvas na unidade local do computador pessoal.

Sabemos que o ambiente fora do corporativo é mais vulnerável porque há pessoas de fora da empresa, como os próprios moradores da residência do colaborador, portanto é preciso que empresas e colaboradores entendam a importância da LGPD e apliquem todos os procedimentos com cautela, assim como é muito importante também criar um ambiente transparente e saudável entre todos, onde se sente segurança para comunicar  ao superior caso ocorra algum incidente de segurança da informação a fim de evitar danos maiores.

A doce Patrícia Paz

Reabrindo a coluna “Com quantos talentos se faz o sucesso”. Patrícia Paz, paulistana nascida no tradicional bairro do Tatuapé, cristã, 29 anos, casada com Victor Santos, filha da paraibana Marleide, conta sua trajetória profissional na King Contabilidade

Patrícia comenta que foi admitida na King Contabilidade em 2011 ocupando o cargo de recepcionista. Antes de ingressar na King, trabalhou no Clube Esportivo da Penha como recepcionista de piscina, permaneceu apenas 1 ano e decidiu buscar novas oportunidades. Durante 7 meses batalhou por uma colocação no mercado de trabalho, mas encontrou bastante dificuldade. Seguindo o conselho de seu primo Ronaldo, contador, decidiu apresentar seu currículo para King Contabilidade, mas quando se deparou com o tamanho da estrutura da King, pensou “uma empresa deste tamanho dificilmente vai me dar uma oportunidade”, comenta Patrícia Paz.

Passado algum tempo tomou coragem e enviou o currículo para a King, e no decorrer de 40 dias foi chamada para concorrer à vaga de recepcionista da diretoria, passou por todos os processos de seleção chegando na última etapa, uma entrevista com a diretoria, com Márcio Shimomoto e Ricardo Terumi. Patrícia não acreditava na possibilidade de conquistar esta vaga, mas foi surpreendida com uma mensagem via caixa postal de Alessandra Rocha, atualmente gerente de RH, informando que havia sido aprovada para a vaga de recepcionista da diretoria do Grupo King. Passado o momento de euforia, Patrícia caiu na realidade, “Meu Deus como vai ser, nem um Fax sei passar, o que será de mim?”

 No dia 23 de maio de 2011, Patrícia atravessou os portões da King para assumir seu cargo de recepcionista da diretoria, suas pernas tremiam de tanta insegurança, mas um anjo foi colocado em sua vida, “Anjo Jacira”. Ressalta a importância deste apoio, afinal Jacira não mediu esforços para inserir Patrícia no mundo administrativo, foram 2 anos de muito aprendizado e ressalta a satisfação de conhecer a cultura japonesa, e com esforço aprendeu algumas palavras do idioma: おはようございます (Ohayōgozaimasu = Bom Dia).

Lembra com exatidão o dia em que Ricardo Terumi, diretor da King, a chamou para uma conversa, momento em que destacou o leque de oportunidades que Patrícia tinha na King, afinal a empresa dispõe de diversos setores, como: RH, Departamento Pessoal, Contabilidade, Fiscal, entre outros. Ricardo pediu para que Patrícia avaliasse em qual departamento desejaria atuar.

Paz comenta que sempre teve admiração pelo Departamento Pessoal, tanto que em 2012 iniciou a faculdade de Gestão de Recursos Humanos. Foi quando no 4º semestre do curso surgiu uma vaga de auxiliar no Depto. Pessoal da King. Mesmo sem experiência, mas com muita vontade, e a indicação do diretor Ricardo Terumi, conquistou a vaga de auxiliar. No ano de 2014 conclui a faculdade e decidiu buscar novos desafios, sua ascensão profissional alcançou os níveis de auxiliar e assistente.

E não parou por aí, com sua determinação iniciou a pós-graduação de Direito do Trabalho e Previdenciário, curso este já concluído. No decorrer destes 9 anos, vários cursos e palestras do SESCON-SP tiveram a presença de Patrícia Paz. Esta colaboradora tem sede de conhecimento, afinal seu principal objetivo sempre foi o crescimento profissional, tendo como próxima meta conquistar o cargo de analista, sabia que não seria fácil, mas que era possível. Em 2019 teve a oportunidade de conhecer com detalhes todas as atividades de um analista, e neste ano, 2020, foi promovida para Analista do Departamento Pessoal da King.

“Não vou parar por aí, desejo conquistar tudo o que Deus me proporcionar. Não posso deixar de fechar esta trajetória profissional sem destacar 3 nomes que fazem parte do meu sucesso: Ricardo Terumi, Eduardo Marciano (seu gerente) e Jacira Tomiyoshi, registro imensa gratidão por estas 3 pessoas”, comenta Patrícia Paz.

Com relação aos hobbies, destaca sua paixão por confeccionar doces, criou sua própria marca “Delícias da Paty”, com bolos, brigadeiros, todos os tipos de doces, e revela que iniciou esta segunda atividade para dar um reforço no caixa, mas atualmente faz por pura paixão ao açúcar.

Diante deste novo cenário que o mundo vivencia, decidimos indagar o que a pandemia trouxe de ensinamento para os colaboradores da King, “A pandemia causou grandes prejuízos e dor, porém trouxe grandes ensinamentos, como valorizar a família, amigos e o tempo. E claro reconhecer que Deus está acima de tudo e todos.”

Consagre ao Senhor tudo o que você faz, e os seus planos serão bem-sucedidos (Provérbios – 16:3)

 

Patrícia Paz

Protocolo de reabertura: Academia de Esportes e Similares

  1. Retorno às atividades

  • Submeter todos os ambientes do estabelecimento a um intenso processo de desinfecção prévia, especialmente cozinhas, se houver, banheiros, áreas de acesso público e de serviço, seguindo as indicações das autoridades sanitárias e dos profissionais pertinentes;
  • Todos os funcionários que apresentarem sintoma de síndrome gripal (febre, mesmo que relatada, tosse ou dor de garganta ou coriza ou dificuldade respiratória) serão considerados suspeitos de portarem COVID-19, devendo ser testados (PCR-RT) antes da reabertura dos estabelecimentos, só podendo retornar às atividades após 15 dias do primeiro sintoma, caso todos os sintomas tenham findado, ou caso esteja munido do resultado negativo;
  • Funcionários pertencentes ao grupo de risco, por terem idade acima de 60 anos ou outras comorbidades, deverão trabalhar em regime de teletrabalho, ou, assumindo o risco de retomar as atividades presencialmente, deverão receber especial atenção e cuidados do estabelecimento, nunca sendo expostos a serviços que envolvam contato, grande proximidade com atletas, usuários e outros colaboradores.

 

  1. Educação e Conscientização

  • Proceder a um treinamento, antes do retorno das atividades, dos colaboradores e demais envolvidos sobre as regras estabelecidas neste protocolo, a fim de garantir seu cumprimento;
  • Na política de conscientização, realizar palestras, sempre em formato digital, de conscientização e de técnicas dos procedimentos de proteção aqui listados;
  • Conferir ênfase ao uso contínuo de máscaras para todos os profissionais envolvidos, com orientações de uso correto e locais de descarte;
  • Deixar em evidência a indicação de distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as pessoas, bem como a orientação sobre o uso obrigatório de máscaras nas dependências do estabelecimento

 

  1. Rotina de Testagem

  • Todos os que apresentarem sintoma de síndrome gripal (febre, mesmo que relatada, tosse ou dor de garganta ou coriza ou dificuldade respiratória) serão considerados suspeitos de portarem COVID-19;
  • Antes de entrar nas dependências do estabelecimento, todos deverão sujeitar-se a medição de temperatura, sendo considerados de suspeitos de portarem COVID-19 aqueles que apresentarem febre, ainda que leve;
  • Todos os funcionários deverão, diariamente, ser submetidos à triagem rápida, com o objetivo de identificar possíveis casos suspeitos e efetivar medidas de prevenção e controle em tempo oportuno;
  • Os suspeitos de portarem COVID-19 deverão realizar, imediatamente, o teste e, preferencialmente do 3° ao 7° dia de sintomas, teste PCR-RT, além de serem afastados de todas as atividades e instruídos a permanecer em isolamento total por, pelo menos, 14 dias, caso confirmada a contaminação ou inconclusivos os resultados dos exames (neste caso, após cessarem os motivos de suspeita de contaminação);
  • Todos os trabalhadores que tiverem tido contato pessoal ou convivido no mesmo ambiente com os suspeitos de portarem COVID-19 serão considerados, da mesma forma, suspeitos, devendo ser monitorados com a mesma diligência, ainda que não apresentem sintomas;
  • Caso verifique-se um surto de COVID-19, deverão ser utilizados todos os meios para o mapeamento da dispersão viral, a desinfecção dos ambientes inclusive, se necessário, a suspensão temporária das atividades.

 

  1. Organização do atendimento

  • Dar preferência a vendas e atendimentos remotos, por meio de plataformas digitais ou de outros mecanismos, sempre que possível;
  • Caso os atendimentos sejam realizados presencialmente, é obrigatória a realização de agendamento prévio, evitando-se filas de espera;
  • Os atletas e usuários do estabelecimento desportivo somente poderão frequentá-lo mediante agendamento prévio, restando vedada sua entrada no estabelecimento fora dessa escala de horários;
  • Durante o agendamento, realizar pesquisa em caráter informativo, questionando se o cliente apresenta sintomas de COVID-19:

Você apresenta tosse ou falta de ar?

Você apresenta febre?

Você esteve perto de alguém exibindo esses sintomas nos últimos 14 dias?

Você mora com alguém doente ou em quarentena?

Você é do grupo de risco?

  • É obrigatório o congelamento dos planos dos clientes do grupo de risco, que estão proibidos de frequentarem os estabelecimentos desportivos;
  • Caso o cliente apresente quaisquer sintomas relativos à COVID-19, é necessário informar-lhe que seu comparecimento não está autorizado, recomendando-lhe a busca de auxílio médico, se cabível;
  • Todos os clientes deverão ser submetidos à triagem rápida antes de entrarem nos estabelecimento, procedimento composto, no mínimo, pela medição de temperatura, com o objetivo de identificar casos suspeitos e efetivar medidas de prevenção e controle em tempo oportuno;
  • Se forem considerados suspeitos de portar COVID-19, devem ser impedidos de entrar no estabelecimento e aconselhados a manter-se em quarentena ou, a depender da gravidade, procurar auxílio médico imediatamente.

 

  1. Distanciamento Social

  • Reduzir a densidade ocupacional, limitada a ocupação interna dos estabelecimentos a 30% de sua capacidade máxima, enquanto a Cidade de São Paulo encontrar-se na classificação amarela do Plano São Paulo, e a 50%, enquanto encontrar-se na classificação verde;
  • Em todo caso, o número total de pessoas dentro do estabelecimento esportivo não poderá ser maior do que uma pessoa por cada 8 metros quadrado, durante a fase amarela, e uma pessoa por cada 6 metros quadrado, durante a fase verde.
  • Não permitir aglomerações em nenhuma hipótese, adotando-se essa normativa como princípio geral em todas as atividades do estabelecimento;
  • A distância mínima entre atletas, usuários e colaboradores, durante a realização de atividades físicas, deve ser de 2 m;
  • É proibido contato físico durante o treino, mesmo que seja para orientação;
  • Durante a fase amarela atividades coletivas devem ser evitadas, optando-se por seu oferecimento de maneira individualizada;
  • Durante a fase verde, atividades coletivas serão realizadas respeitando-se, além da reduzida densidade ocupacional do ambiente, o distanciamento mínimo de 2 m entre todos os participantes, e a impossibilidade de compartilhamento de objetos sem a devida higienização;
  • A recepção deverá ser isolada com área de proteção demarcada com fita zebrada (1,5 m);
  • Realizar marcações no piso dos corredores e demais áreas de circulação com setas indicativas e demarcar áreas isoladas visando o necessário distanciamento de 1,5 m;
  • Orientar que os alunos aguardem o horário da aula em áreas que tenham marcação de distanciamento de 1,5 m no piso;
  • Não realizar ou divulgar nenhum evento ou promoção que possa estimular uma forma de ocupação do espaço contrária, efetiva ou potencialmente, ao princípio de não aglomeração;
  • Suspender a utilização dos chuveiros de vestiários, mantendo apenas banheiros abertos;
  • Saunas, banhos turcos, solários, hidromassagem/jacuzzi e similares devem permanecer fechados;
  • Limitar a quantidade de pessoas nos elevadores, se houver, a 30% de sua capacidade;
  • Instalar barreira de proteção acrílica nos caixas, balcões de atendimento, credenciamento, pontos de informação, recepções e similares;
  • Subsidiariamente, assegurar-se de que os funcionários estejam portando viseira de acrílico;
  • Evitar contato físico entre profissionais e clientes;
  • Em academias:
  • Utilizar apenas 50% dos aparelhos de cárdio, ou seja, deixar o espaçamento de um equipamento sem uso para o outro;
  • É expressamente proibida qualquer forma de treinamento que envolva contato, em pé ou no solo, enquanto não forem liberadas pelas autoridades do Governo Estadual;

 

  • Em piscinas:

Dividir a piscina em salas de aula com separação por raias, de acordo com o nível de aprendizagem da turma. Para reduzir o número de alunos na piscina, recomenda-se diminuir a duração das aulas;

 

  • Em quadras:

Não será permitido acompanhantes no local, e tampouco atletas fora do horário dos seus jogos;
Não será permitido contato físico, nem entre atletas, nem com professores;
As aulas deverão ser individuais;
O recolhimento das bolas deverá ser feita por uma única pessoa, seja ela professor, funcionário, ou aluno Responsável.

  1. Higiene

  • Organizar uma área de chegada para clientes e profissionais, disponibilizando, além de álcool em gel 70%, para higienização das mãos, recursos para higienização das solas do sapato, como um borrifador com álcool 70% ou água sanitária;
  • No caso do uso de leitor de digital para entrada no estabelecimento desportivo, deve-se disponibilizar um recipiente de álcool em gel a 70% ao lado da catraca. Além disso, o cliente deve ter a opção de acessar à academia comunicando à recepcionista seu número de matrícula ou seu CPF, para que não precise tocar no leitor digital;
  • Posicionar álcool gel, de maneira visível e de fácil acesso, para uso de clientes e colaboradores, em todas as entradas e saídas, locais de realização de pagamento, proximidades das estações trabalho e quando da utilização de máquinas de atendimento do sistema bancário;
  • Disponibilizar embalagem individual de álcool em gel para o funcionário que realize atividades externas;
  • Garantir a obrigatoriedade do uso de máscaras por todos os clientes, colaboradores e fornecedores;
  • É obrigatório que o estabelecimento forneça máscaras suficientes aos seus colaboradores e desejável que forneça máscara aos clientes que não as estejam portando;
  • Quem optar por fornecer máscaras descartáveis, deve ter estoque para fornecimento de ao menos 3 trocas de máscaras por dia;
  • No caso de máscaras de pano, o estabelecimento deverá garantir que cada funcionário tenha, ao menos, 5 máscaras para que possa ir trocando e lavando as que forem sendo utilizadas, sendo o funcionário o responsável pela higienização;
  • Uso obrigatório de viseiras de acrílico por professores dentro da área da piscina. Elas devem ser higienizadas com água e detergente ou com álcool 70% a cada duas horas, no mínimo;
  • Orientar, ostensivamente, funcionários e clientes, inclusive por meio de cartazes afixados, banners, panfletos, áudios, vídeos, e-mails, etc., sobre a necessidade de higienização frequente das mãos, bem como sobre a maneira correta de fazê-lo;
  • É desejável a lavagem de mãos com água e sabão ou álcool gel 70% sempre que possível, e obrigatória:
  • Após o contato com superfícies suscetíveis a contaminação por serem tocadas por grande número de clientes ou funcionários, como maquininhas de cartão, dinheiro, corrimãos, maçanetas, balcões, entre outros;
  • Quando em contato com superfícies em todas as entradas e saídas das áreas da academia (recepção, musculação, peso livre, salas de coletivas, piscina, vestiários, etc);
  • Separar lixo com potencial de contaminação para descarte (Equipamento de Proteção Individual – EPI, luvas, máscaras, etc.);
  • Orientar as equipes sobre o correto descarte de materiais possivelmente contaminados, bem como a lavagem de mãos após tais episódios;
  • Disponibilizar formas de pagamento alternativas como transferência bancária e pagamentos por aproximação, que não necessitam contato com o caixa e máquinas de cartão;
  • Cobrir as máquinas e dispositivos de pagamento com plástico filme, higienizando-os após cada utilização;
  • Disponibilizar dispensadores com álcool em gel 70% para uso daqueles que optarem pelo pagamento por meio de cartões e dinheiro (tanto para o operador do caixa, quanto para o cliente);
  • Orientar colaboradores e clientes a reforçar os procedimentos de higiene logo após o manuseio de dinheiro em espécie;
  • A hidratação será individual, os bebedouros ficarão desativados e sugere-se que os atletas levem a sua própria Hidratação;
  • Os atletas deverão vir vestidos com seus respectivos uniformes, afim de não compartilhar vestiários;
  • Desencorajar colaboradores e clientes a usarem adornos, como anéis, brincos, pulseiras, gargantilhas, relógios e colares, bem como o uso de celular;
  • Uniformes de treino são de uso único e pessoal (exigir lavagem e desinfecção após cada aula, apresentarem-se limpos e passados a cada aula);
  • Outros equipamentos ou acessórios de treinos, como luvas, caneleiras, protetor de peito, tórax e bucal não poderão ser compartilhados e deverão ser higienizados a cada treino pelo próprio usuário;

 

  • Em academias:

Os equipamentos deverão ser higienizados em todo término de aula;
O tatame e ou ringue deverão ser higienizados antes de iniciar cada aula;

  • Em piscinas:

Exigir o uso de chinelos por clientes e colaboradores e ter dispositivo para limpeza deles antes da entrada da área da piscina;

Disponibilizar, na área da piscina, suportes para que cada cliente possa pendurar sua toalha de forma individual;
Evitar usar materiais como nadadeiras, pranchas e palmares (na piscina);
Disponibilizar, próximo à entrada da piscina, recipiente de álcool em gel 70% para que os clientes usem antes de tocar na escada ou nas bordas da piscina;
Disponibilizar, na área da piscina, suportes para que cada cliente possa pendurar sua toalha de forma individual;

  • Em quadras:

Manter os pertences no seu mesmo lado da quadra;
As bolas deverão ter uso individual.

 

  1. Sanitização de ambientes

  • Realizar desinfecção diária do local que receberá o público, antes da abertura ou no final do expediente; Durante todo o período de funcionamento da unidade, os funcionários da limpeza deverão estar circulando e limpando locais, entre uma aula e outra, principalmente nos pontos de contato das pessoas;
  • Além disso, todos os colaboradores da unidade, atletas e usuários são responsáveis pelos procedimentos de higienização dos equipamentos e objetos que utilizarem, principalmente fora dos turnos de atuação da equipe de limpeza;
  • Retirar do estabelecimento tapetes e objetos que dificultem a limpeza, optar por uma decoração minimalista;
  • Providenciar, sempre que possível, a manutenção de portas e janelas abertas, privilegiando a ventilação natural e minimizando o manuseio de maçanetas e fechaduras;
  • Em caso de ambientes climatizados, garantir a manutenção dos aparelhos de ar condicionado, conforme recomendação da legislação vigente e atentando-se aos seguintes aspectos:
  • Todo ambiente que dispuser de ventilação artificial só poderá ser utilizado se seus ductos e equipamentos forem regularmente limpos e esterilizados com os produtos recomendados, a fim de evitar-se a propagação do vírus;
  • A frequência de limpeza das tubulações de ventilação artificial deverá ser registrada e disponibilizada em caso de fiscalização da autoridade sanitária;
  • Realizar mapeamento dos objetos, superfícies e itens em geral que possuem grande contato manual, como maçanetas, bancos, cadeiras, corrimãos, porta, janelas, entre outros, para que seja realizada uma rotina de desinfecção;
  • Deverá ser feito fechamento sistemático (três vezes ao dia) para higienização mais apurada dos ambientes;

 

  • Em academias:

Posicionar kits de limpeza em pontos estratégicos das áreas de musculação e peso livre, para que os clientes higienizem os equipamentos (colchonetes, halteres e máquinas) com produto específico para esse fim;

  • Em piscinas:

Após o término de cada aula, higienizar as escadas, balizas e bordas da piscina;
Garantir a qualidade da água nas piscinas com eletroporação e filtros químicos em alta concentração;

  • Em quadras de areia:

As quadras terão suas areias devidamente esterilizadas semanalmente;

Garantir que os lavatórios e banheiros, para clientes e colaboradores, sejam devidamente equipados com água, sabão e toalhas descartáveis, além de lixeiras com acionamento não manual;

Intensificar a higienização dos sanitários de uso de colaboradores e clientes;

Para que um equipamento, utensílio ou superfície seja considerado higienizado, deve passar pela etapa de limpeza para remoção de sujidades e posterior desinfecção com produto adequado e regularizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA e/ou Ministério da Saúde – MS e deve ser utilizado somente para as finalidades indicadas pelos fabricantes, dentro do prazo de validade e acompanhados de Fichas de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ);

Instalar carpete higiênico na entrada do prédio e de todas as salas de ginástica.

 

  1. Orientação aos clientes

  • Garantir a ampla difusão das normas contidas neste protocolo aos clientes, por meio de cartazes afixados, banners, panfletos, áudios, vídeos, e-mails, etc.;
  • Em local visível, na entrada do estabelecimento, afixar placa com a lotação máxima autorizada, segundo a classificação que o município obtiver AMARELA ou VERDE;
  • Na mesma placa deverão ser informados os dias e horários de atendimento ao público;
  • Orientar para que alunos tragam de casa seus os equipamentos de uso pessoal (como toalhas de banho e mão, bolas, arcos, colchonetes).

 

  1. Orientação aos colaboradores

  • Assegurar-se de que máscaras, luvas e outros equipamentos de proteção e higiene fornecidos nunca serão compartilhados entre os colaboradores;
  • Também está vedado o compartilhamento de objetos e utensílios de uso pessoal, a exemplo de copos descartáveis, fones e aparelhos de telefone;
  • Vacinar ou orientar que seus funcionários vacinem-se para gripe (influenza e H1N1);
  • Nos vestiários, devem ser adotados os cuidados para evitar a contaminação cruzada do uniforme, evitando-se contato entre uniformes limpos e os sujos;
  • Orientar os colaboradores a seguirem as seguintes medidas de segurança fora do ambiente de trabalho:
  • Não realizar o trajeto de uniforme, evitando a contaminação dos colegas de trabalho;
  • Trocar a máscara utilizada no deslocamento;
  • Lavar e trocar os uniformes diariamente e levá-los ao local de trabalho protegidos em saco plástico ou outra proteção adequada, necessariamente fornecida pelo estabelecimento;
  • Uniformes só devem ser utilizados no ambiente de trabalho;
  • Os cuidados para evitar a contaminação cruzada do uniforme devem ser tomados;
  • Os profissionais de limpeza devem utilizar luva de borracha grossa (que possa ser lavada com água e sabão ao
  • final do expediente, deixando-a secar ao natural), bota ou sapato fechado e calça comprida. Em caso de respingos, deve usar um avental impermeável. Se há risco de respingos nos olhos, a orientação é utilizar óculos de proteção. Disponibilize também máscaras domésticas caso o funcionário não tenha.

 

  1. Horários alternativos de funcionamento

  • Enquanto vigorar o Plano São Paulo, os estabelecimentos só poderão receber clientes por no máximo de 6h diárias, sendoque a entrada de clientes nas academias acontecerá apenas com agendamento prévio;

 

  1. Redução do expediente

  • Deverão ser estabelecidas as jornadas de trabalho compatíveis com os horários reduzidos de funcionamento, com o fim de evitar concentração de colaboradores no estabelecimento;
  • Reduzir o número de colaboradores administrativos e, na medida do possível, adotar o home office;

 

  1. Apoio a colaboradores que tenham dependentes incapazes, no período em que estiverem fechadas as creches, escolas e abrigos

  • Elaborar uma escala para que os colaboradores que não tenham com quem deixar os incapazes durante o período em que estiverem fechadas as creches, escolas e abrigos, especialmente as mães trabalhadoras, possam ter esse apoio do estabelecimento;
  • Permitir o trabalho no sistema de teletrabalho para empregados que não tenham quem cuide de seus dependentes incapazes no período em que estiverem fechadas as creches, escolas ou abrigos, sendo que, se não for possível o teletrabalho, o empregador deverá acordar com o empregado uma forma alternativa de manutenção do emprego, podendo, para tal, utilizar os recursos previstos na legislação federal atualmente vigente;
  • Se possível, o empregador poderá disponibilizar maneiras alternativas de viabilizar a presença do empregado ao local de trabalho, oferecendo uma solução humana e responsável ao cuidado do menor, a qual deverá ser decidida em conjunto com a mãe.

 

  1. Protocolo de fiscalização e monitoramento do próprio setor (autotutela)

  • A entidade representativa do setor deverá informar a todos os seus representados sobre os protocolos a serem seguidos e apoiar a sua implementação;
  • Manter comunicação contínua com seus associados, esclarecendo dúvidas e estimulando a continuidade das medidas enquanto durar a pandemia.

Protocolo de reabertura: Beleza, Estética e Bem Estar

 

1. Retorno às atividades

  • Submeter todos os ambientes do estabelecimento a um intenso processo de desinfecção prévia, especialmente os locais de atendimento, os banheiros e as áreas de acesso público, seguindo as indicações das autoridades sanitárias e dos profissionais pertinentes;
  • Todos os funcionários que apresentarem sintoma de síndrome gripal (febre, mesmo que relatada, tosse ou dor de garganta ou coriza ou dificuldade respiratória) serão considerados suspeitos de portarem COVID-19, devendo ser testados (PCR-RT) antes da reabertura dos estabelecimentos, só podendo retornar às atividades após 14 dias do primeiro sintoma, caso todos os sintomas tenham findado, ou caso esteja munido do resultado negativo;
  • Funcionários pertencentes ao grupo de risco, por terem idade acima de 60 anos ou outras comorbidades, deverão trabalhar em regime de teletrabalho, ou, assumindo o risco de retomar as atividades  presencialmente, deverão receber especial atenção e cuidados das equipes médicas.

2. Educação e Conscientização

  • Proceder a um treinamento, antes do retorno das atividades, dos colaboradores e demais envolvidos sobre as regras estabelecidas neste protocolo, a fim de garantir seu cumprimento;
  • Na política de conscientização, realizar palestras, sempre em formato digital, de conscientização e de técnicas dos procedimentos de proteção aqui listados;
  • Conferir ênfase ao uso contínuo de máscaras para todos os profissionais envolvidos, com orientações de uso correto e locais de descarte;
  • Deixar em evidência a indicação de distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as pessoas, bem como a orientação sobre o uso obrigatório de máscaras nas dependências do estabelecimento.

3. Rotina de Testagem dos Funcionários

  • Todos os que apresentarem sintoma de síndrome gripal (febre, mesmo que relatada, tosse ou dor de garganta ou coriza ou dificuldade respiratória) serão considerados suspeitos de portarem COVID-19;
  • Antes de entrar nas dependências do estabelecimento, todos deverão sujeitar-se a medição de temperatura, sendo considerados de suspeitos de portarem COVID-19 aqueles que apresentarem febre, ainda que leve;
  • Todos os funcionários deverão, diariamente, ser submetidos à triagem rápida, com o objetivo de identificar possíveis casos suspeitos e efetivar medidas de prevenção e controle em tempo oportuno;
  • Os suspeitos de portarem COVID-19 deverão realizar,  imediatamente, o teste e, preferencialmente do 3° ao 7° dia de sintomas, teste PCR-RT, além de serem afastados de todas as atividades e instruídos a permanecer em isolamento total por, pelo menos, 14 dias, caso confirmada a contaminação ou inconclusivos os resultados dos exames (neste caso, após cessarem os motivos de suspeita de contaminação);
  • Todos os trabalhadores que tiverem tido contato pessoal ou convivido no mesmo ambiente com os suspeitos de portarem COVID-19 serão considerados, da mesma forma, suspeitos, devendo ser monitorados com a mesma diligência, ainda que não apresentem sintomas;
  • Caso verifique-se um surto de COVID-19, deverão ser utilizados todos os meios para o mapeamento da dispersão viral, a desinfecção dos ambientes inclusive, se necessário, a suspensão temporária das atividades.


4. Organização do atendimento

  • Os atendimentos devem ser realizados, preferencialmente, mediante agendamento prévio, evitando-se filas de espera;
  • Durante o agendamento e sempre que um cliente que entrar na clínica, realizar pesquisa em caráter informativo, questionando se o cliente apresenta sintomas relacionados à COVID19:

– Você apresenta tosse ou falta de ar?

– Você apresenta febre?

– Você esteve perto de alguém exibindo esses sintomas nos últimos 14 dias?

– Você mora com alguém doente ou em quarentena?

  • Recomendável pedir aos clientes do grupo de risco que evitem ir ao estabelecimento. Caso o cliente apresente qualquer dos sintomas relativos à Covid-19 o mesmo deve ser orientado a não comparecer ao atendimento e procurar uma unidade de saúde;
  • Todos os clientes deverão ser submetidos à triagem rápida antes de entrarem nos estabelecimentos, com o objetivo de identificar possíveis casos suspeitos, especialmente febre, e efetivar medidas de prevenção e controle em tempo oportuno;
  • Poderão ser realizados atendimentos a domicílio, desde que seguidos os protocolos de higiene por parte do profissional e do cliente;
  • Todo atendimento deve ser feito de forma individualizada, com capacidade reduzida;
  • Deixar margem de tempo, entre os agendamentos, para viabilizar todos os procedimentos de higiene e limpeza dos equipamentos;
  • Nunca permitir que dois ou mais profissionais atendam ao mesmo cliente simultaneamente;
  • Destinar um horário exclusivo, preferencialmente nas primeiras horas de funcionamento, para clientes do grupo de risco, por estarem acima dos 60 anos ou apresentarem outras comorbidades;
  • Sempre que possível, o atendimento deve ser realizado em cabines individuais;
  • Os clientes não devem estar acompanhados durante a realização dos serviços.
  • A menos que estritamente necessário, também não se deve autorizar acompanhantes na sala de espera.
  1. Distanciamento social

  • Ter como premissa o distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as pessoas; • A distância mínima entre estações de trabalho operando simultaneamente deve ser • Reduzir a densidade ocupacional, limitada a ocupação interna dos estabelecimentos a 40% de sua capacidade máxima, enquanto a Cidade de São Paulo encontrar-se na classificação amarela do Plano São Paulo, e a 60%, enquanto encontrar-se na classificação verde;
  • A distância mínima entre estações de trabalho deve ser de 2 metros, devendo elas serem utilizadas de modo intercalado, se necessário;
  • Não permitir aglomerações em nenhuma hipótese, adotando-se essa normativa como princípio geral em todas as atividades do estabelecimento;
  • Realizar marcações no piso nos locais onde são formadas filas, como balcões de atendimento, caixas de pagamento, e sanitários, orientando os clientes e funcionários a posicionarem-se a 1,5 metro de distância um do outro;
  • Se necessário para garantir o cumprimento dessa regra, destinar algum funcionário à função de organizadores de fila direcionados aos clientes em fluxo obrigatório;
  • Limitar a quantidade de pessoas nos elevadores, se houver, a 40% de sua capacidade;
  • Não realizar ou divulgar nenhum evento ou promoção que possa estimular uma forma de ocupação do espaço contrária, efetiva ou potencialmente, ao princípio de não aglomeração;
  • Procedimentos para as áreas de espera;
  • Adotar as mesmas regras de distanciamento entre mesas e cadeiras também neste local, quando aplicável;
  • Caso formem-se filas do lado de fora do estabelecimento, responsabilizar-se por sua organização, observadas as regras de distanciamento;
  • Quando o prestador de serviço precisar estar em contato físico direto com o cliente, faz-se necessário o reforço das medidas de higiene e proteção citadas nos itens 3, 5 e 6 deste protocolo, a fim de preservar a saúde de ambos;
  • Instalar barreira de proteção acrílica nos caixas, balcões de atendimento, credenciamento, pontos de informação, recepções, locais de entrega de alimentos e similares;
  • Subsidiariamente, assegurar-se de que os funcionários estejam portando viseira de acrílico;
  • Evitar contato físico entre profissionais e clientes;
  • Restringir áreas de atividades não essenciais ou espaços coletivos desnecessários, como brinquedotecas ou espaços de lazer;
  • Espaços como estoques, copa ou outras áreas de serviços deverão ser usadas com as mesmas regras de distanciamento e higiene;
  • Organizar escala para horários de almoço e lanches no refeitório/copa, evitando aglomerações;

 

  1. Higiene

  • Organizar uma área de chegada para clientes e profissionais, disponibilizando álcool em gel 70%, para higienização das mãos, e medidas para higienização das solas do sapato, como um borrifador com álcool 70% ou água sanitária;
  • Além disso, posicionar álcool gel, de maneira visível e de fácil acesso, em todas as entradas e saídas, locais de realização de pagamento, próximo às estações de limpeza e quando da utilização de máquinas de atendimento do sistema bancário;
  • Garantir a obrigatoriedade do uso de máscaras por todos os clientes e colaboradores;
  • Apenas se necessário para a realização do procedimento, o cliente poderá deixar de utilizar máscaras de proteção;
  • É obrigatório que o estabelecimento forneça máscaras suficientes aos seus colaboradores e desejável que forneça máscara aos clientes que não as estejam portando;
  • Quem optar por fornecer máscaras descartáveis, deve ter estoque para fornecimento de, ao menos, 3 trocas de máscaras por dia;
  • No caso de máscaras de pano, o estabelecimento deverá garantir que cada funcionário tenha, ao menos, 5 máscaras para que possa ir trocando e lavando as que forem sendo utilizadas, sendo o funcionário o responsável pela higienização;
  • Usar luvas no caso de contato físico necessário com o cliente;
  • Fornecer copos de uso pessoal para cada colaborador ou cliente;
  • Higienizar as mercadorias antes de incluí-la no estoque, mantendo, se possível, armazenada separadamente em quarentena por 72 horas;
  • Desencorajar o uso de acessórios como anéis, brincos, pulseiras, gargantilhas, relógios e colares;
  • Barbearia: lavar cabelos e orelhas dos clientes antes de iniciar o corte para minimizar a possibilidade de contaminação; possuir número maior de instrumentos, como pentes da máquina de corte, levando em consideração a quantidade de clientes atendidos; usar máscara reutilizável e face shield para serviços mais detalhados, como barba.
  • Esmalteria: diminuir a quantidade de esmaltes expostos; usar luvas; higienizar a cada cliente a poltrona, a cirandinha ou a mesa de atendimento.
  • Estética/Depilação: usar luvas, máscara reutilizável e face shield; separar os produtos que serão utilizados em cada atendimento, mantendo a bancada sempre livre; usar papel toalha descartável sobre a maca.
  • Maquiagem: máscara reutilizável e face shield; higienizar o rosto do cliente; possuir número maior de pincéis, levando em consideração a quantidade de clientes atendidos, permitindo um kit de pincéis para cada cliente; fracionar os produtos para cada atendimento, evitando levar o pincel possivelmente contaminado ao produto; higienizar pincéis deixando-os de molho por 15 minutos em solução de clorexidina a 2%, seguindo a diluição de 100 mililitros (ml) de clorexidina para 1 litro de água.
  • Cabelos: lavar cabelos e orelhas dos clientes antes de iniciar serviços como corte e escova para minimizar a possibilidade de contaminação; não compartilhar instrumentos como bobs, presilhas, pentes e escovas; não reutilizar papéis ou mantas para descoloração; manter na bancada apenas instrumentos e produtos usados durante o atendimento; utilizar capas descartáveis ou de tecido desde que sejam higienizadas de forma adequada e não reutilizadas entre clientes; para higienizar bobs, presilhas, pentes e escovas, antes de seguir o protocolo orientado pela vigilância sanitária da sua região, coloque-os de molho por 15 minutos em solução adequada de água com água sanitária a 2% ou 2,5% ou em solução de clorexidina a 2%, seguindo a diluição de 100 mililitros (ml) de clorexidina para 1 litro de água.
  1. Sanitização de ambientes

  • Todo o estabelecimento deve ser diariamente higienizado antes da reabertura. Desinfectar todas as superfícies, ferramentas, mesmo que tenham sido limpas antes do fechamento;
  • Entre atendimentos, deve-se realizar a limpeza e desinfecção química de todos materiais e locais que tenham entrado em contato com cliente anterior;
  • Se necessário, realizar modificações na disposição de móveis, decoração ou layout, para facilitar a circulação de pessoas e o distanciamento entre elas, retirando também tapetes e objetos que dificultem a limpeza;
  • Durante o uso de equipamentos e produtos de uso comum, como máscaras, shampoos e condicionadores, higienizar as mãos antes de usá-los.
  • Aumentar a frequência da higienização do chão utilizando solução adequada de água com água sanitária ou outro produto similar, respeitando o tipo do revestimento do piso.
  • Distribuir álcool em gel 70% em todos os setores, todas as bancadas de atendimento, recepção, banheiros, copas e afins.
  • Providenciar, sempre que possível, a manutenção de portas e janelas abertas, privilegiando a ventilação natural e minimizando o manuseio de maçanetas e fechaduras;
  • Em caso de ambientes climatizados, garantir a manutenção dos aparelhos de ar condicionado, conforme recomendação da legislação vigente e atentando-se aos seguintes aspectos:
  • Todo ambiente que dispuser de ventilação artificial só poderá ser utilizado se seus ductos e equipamentos forem regularmente limpos e esterilizados com os produtos recomendados, a fim de evitar-se a propagação do vírus;
  • A frequência de limpeza das tubulações de ventilação artificial deverá ser registrada e disponibilizada em caso de fiscalização da autoridade sanitária;
  • Garantir que os lavatórios e banheiros, para clientes e colaboradores, sejam devidamente equipados com água, sabão e toalhas descartáveis, além de lixeiras com acionamento não manual;
  • Intensificar a higienização dos sanitários de uso de colaboradores e clientes;
  • Para que um equipamento, utensílio ou superfície seja considerado higienizado, deve passar pela etapa de limpeza para remoção de sujidades e posterior desinfecção com produto adequado e regularizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA e/ou Ministério da Saúde – MS e deve ser utilizado somente para as finalidades indicadas pelos fabricantes, dentro do prazo de validade e acompanhados de Fichas de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ);
  • Realizar mapeamento dos objetos, superfícies e itens em geral que possuem grande contato manual, como máquinas de cartão, maçanetas, corrimãos, entre outros, para que seja realizada uma rotina de desinfecção;
  • Manter frequência de higienização de canetas e outros materiais de escritório, teclado, mouse, monitor e telefones.
  • Durante o uso de equipamentos e produtos de uso comum, como cremes, utilizar espátula descartável e higienizar as mãos antes de usá-los.
  • Sala de Esterilização: revisar os processos de esterilização, principalmente durante a lavagem de materiais de acordo com orientações da vigilância sanitária.
  1. Orientação aos clientes

  • Garantir a ampla difusão das normas contidas neste protocolo aos clientes, por meio de cartazes afixados, banners, panfletos, áudios, vídeos, e-mails, etc.;
  • Em local visível, na entrada do estabelecimento, afixar placa com a informação acerca da lotação máxima autorizada, segundo a classificação que o município obtiver AMARELA ou VERDE.
  • Na mesma placa, deve ser informada a preferência do estabelecimento por atendimentos mediante agendamento prévio;
  1. Orientação aos colaboradores

  • Assegurar-se de que máscaras, luvas e outros equipamentos de proteção e higiene fornecidos nunca serão compartilhados entre os colaboradores;
  • Também está vedado o compartilhamento de objetos e utensílios de uso pessoal, a exemplo de copos descartáveis, fones e aparelhos de telefone;
  • Nos vestiários, devem ser adotados os cuidados para evitar a contaminação cruzada do uniforme, evitando-se contato entre uniformes limpos e os sujos;
  • Orientar os colaboradores a seguirem as seguintes medidas de segurança fora do ambiente de trabalho:
  • Não realizar o trajeto de uniforme, evitando a contaminação dos colegas de trabalho;
  • Trocar a máscara utilizada no deslocamento;
  • Lavar e trocar os uniformes diariamente e levá-los ao local de trabalho protegidos em saco plástico ou outra proteção adequada, necessariamente fornecida pelo estabelecimento;
  • Uniformes só devem ser utilizados no ambiente de trabalho;
  • Os cuidados para evitar a contaminação cruzada do uniforme devem ser tomados.
  • Utilizar farda branca e a lavagem e higienização diariamente, lavada diariamente com a utilização de água sanitária, ou jaleco de TNT descartável, trocado a cada cliente, e viseira de acrílico, desde que o serviço realizado necessite contato físico, como massagem;
  • A viseira de acrílico deve ser higienizada a cada troca de cliente com álcool 70%;
  • Todos os materiais de uso obrigatório pelos funcionários devem ser fornecidos pelos estabelecimentos;
  • Usar cabelo preso ou touca descartável e unhas cortadas;
  • Manter bancadas o mais livre possível, deixando sobre elas apenas instrumentos e produtos usados durante o atendimento;
  • Proibido o compartilhamento de itens pessoais, como maquiagem, vasilhas, talheres e celular;
  • Orientar a higienização dos celulares e que evitem ao máximo o seu uso durante a permanência no estabelecimento;
  • Vacinar ou orientar que seus funcionários vacinem-se para gripe (influenza e H1N1); 
  • Recomenda-se aos prestadores de serviços a domicilio, sempre que possível, o uso de protetor descartável para os pés ou solução de álcool gel 70% para a higienização do calçado antes de entrar nas residências dos clientes;
  • Orientar colaboradores para que evitem qualquer contato desnecessário com os clientes, e que sigam a etiqueta de tosse (cobrir tosse e espirro com lenços descartáveis ou com o cotovelo, sempre higienizando as mãos), que evitem tocar os próprios olhos, boca e nariz e não compartilhem objetos.

 

  1. Horários alternativos de funcionamento

  • Os estabelecimentos de beleza, estética e bem-estar poderão realizar atendimento presencial durante 6 horas diárias na fase 3 – Amarela. Conforme evolução pelo Plano SP, poderá ser alterado o horário de funcionamento, de acordo com o regulamento municipal. É responsabilidade da empresa acompanhar e respeitar as regras municipais sobre o horário de funcionamento do estabelecimento.
  1. Redução do expediente

  • Deverão ser estabelecidas as jornadas de trabalhado compatíveis com os horários reduzidos de funcionamento, procurando não causar concentração de colaboradores no estabelecimento.

 

  1. Apoio a colaboradores que tenham dependentes incapazes, no período em que estiverem fechadas as creches, escolas e abrigos

  • Elaborar uma escala para que os colaboradores que não tenham com quem deixar os incapazes durante o período em que estiverem fechadas as creches, escolas e abrigos, especialmente as mães trabalhadoras, possam ter esse apoio do estabelecimento;
  • Permitir o trabalho no sistema de teletrabalho para empregados que não tenham quem cuide de seus dependentes incapazes no período em que estiverem fechadas as creches, escolas ou abrigos, sendo que, se não for possível o teletrabalho, o empregador deverá acordar com o empregado uma forma alternativa de manutenção do emprego, podendo, para tal, utilizar os recursos previstos na legislação federal atualmente vigente; 
  • Se possível, o empregador poderá disponibilizar maneiras alternativas de viabilizar a presença do empregado ao local de trabalho, oferecendo uma solução humana e responsável ao cuidado do menor, a qual deverá ser decidida em conjunto com a mãe.

 

  1. Protocolo de fiscalização e monitoramento do próprio setor (autotutela)

  • A entidade representativa do setor deverá informar a todos os seus representados sobre os protocolos a serem seguidos e apoiar sua implementação;
  • É importante manter comunicação contínua com seus associados, esclarecendo dúvidas e estimulando a continuidade das medidas enquanto durar a pandemia.

 

Protocolo de Reabertura: Bares, Restaurantes e Similares

1. Retorno às atividades

Submeter todos os ambientes do estabelecimento a um intenso processo de desinfecção prévia, especialmente as cozinhas, os banheiros e as áreas de acesso público, seguindo as indicações das autoridades sanitárias e dos profissionais pertinentes; 

Todos os funcionários que apresentarem sintoma de síndrome gripal (febre, mesmo que relatada, tosse ou dor de garganta ou coriza ou dificuldade respiratória) serão considerados suspeitos de portarem COVID-19, devendo ser testados (PCR-RT) antes da reabertura dos estabelecimentos, só podendo retornar às atividades após 15 dias do primeiro sintoma, caso todos os sintomas tenham findado, ou caso esteja munido do resultado negativo;

Funcionários pertencentes ao grupo de risco, por terem idade acima de 60 anos ou outras comorbidades, deverão trabalhar em regime de teletrabalho, ou, assumindo o risco de retomar as atividades presencialmente, deverão receber especial atenção e cuidados das equipes médicas.

 

2. Educação e Conscientização

  •   Proceder a um treinamento, antes do retorno das atividades, dos colaboradores e demais envolvidos sobre as regras estabelecidas neste protocolo, a fim de garantir seu cumprimento;
  •   Na política de conscientização, realizar palestras, sempre em formato digital, de conscientização e de técnicas dos procedimentos de proteção aqui listados;
  •   Conferir ênfase ao uso contínuo de máscaras para todos os profissionais envolvidos, com orientações de uso correto e locais de descarte;
  • Deixar em evidência a indicação de distanciamento mínimo de 1,5 metro entre as pessoas, bem como a orientação sobre o uso obrigatório de máscaras nas dependências do estabelecimento

 

3.Rotina de Testagem

 

  •   Todos os que apresentarem sintoma de síndrome gripal (febre, mesmo que relatada, tosse ou dor de garganta ou coriza ou dificuldade respiratória) serão considerados suspeitos de portarem COVID-19;
  •   Antes de entrar nas dependências do estabelecimento, todos deverão sujeitar-se a medição de temperatura, sendo considerados de suspeitos de portarem COVID-19 aqueles que apresentarem febre, ainda que leve;
  •   Todos o funcionários deverão, diariamente, ser submetidos à triagem rápida, com o objetivo de identificar possíveis casos suspeitos e efetivar medidas de prevenção e controle em tempo oportuno;
  •   Os suspeitos de portarem COVID-19 deverão realizar, imediatamente, o teste e, preferencialmente do 3° ao 7° dia de sintomas, teste PCR-RT, além de serem afastados de todas as atividades e instruídos a permanecer em isolamento total por, pelo menos, 14 dias, caso confirmada a contaminação ou inconclusivos os resultados dos exames (neste caso, após cessarem os motivos de suspeita de contaminação);
  •   Todos os trabalhadores que tiverem tido contato pessoal ou convivido no mesmo ambiente com os suspeitos de portarem COVID-19 serão considerados, da mesma forma, suspeitos, devendo ser monitorados com a mesma diligência, ainda que não apresentem sintomas;
  •   Caso verifique-se um surto de COVID-19, deverão ser utilizados todos os meios para o mapeamento da  dispersão viral, a desinfecção dos ambientes inclusive, se necessário, a suspensão temporária das  atividades.

 

4. Distanciamento Social

  •  Dar preferência a vendas online, remotas ou outros mecanismos de atendimento não presencial de clientes;
  • Priorizar o atendimento presencial mediante reservas previamente realizadas;
  • Reduzir a densidade ocupacional, limitada a ocupação interna dos estabelecimentos a 40% de sua capacidade máxima, enquanto a Cidade de São Paulo encontrar-se na classificação amarela do Plano São Paulo, e a 60%, enquanto encontrar-se na classificação verde;
  • Durante a fase amarela, resta inteiramente vedado o atendimento a clientes que estejam realizando consumação nas calçadas;
  • Manter uma disposição temporária com menos mesas e assentos, de tal modo que o espaçamento entre mesas seja de, no mínimo, 2 metros, e, entre cadeiras de mesas diferentes, de, pelo menos, 1 metro;
  • Está vedada a concentração de grupos com mais de 6 pessoas em uma só mesa e a interação ou proximidade entre grupos alocados em mesas distintas;
  • Apenas é admitida a consumação de clientes, no interior dos estabelecimentos, se estiverem sentados;
  • Não permitir aglomerações em nenhuma hipótese, adotando-se essa normativa como princípio geral em todas as atividades do estabelecimento;
  • Realizar marcações no piso nos locais onde são formadas filas, como nos buffets de autosserviço, balcões de atendimento, caixas de pagamento, e sanitários, orientando os clientes e funcionários a posicionarem-se a 1,5 metro de distância um do outro;
  • Se necessário para garantir o cumprimento dessa regra, destinar algum funcionário à função de organizadores de fila direcionados aos clientes em fluxo obrigatório;
  • Limitar a quantidade de pessoas nos elevadores, se houver, a 40% de sua capacidade;
  • Não realizar ou divulgar nenhum evento ou promoção que possa estimular uma forma de ocupação do espaço contrária, efetiva ou potencialmente, ao princípio de não aglomeração;
  • Procedimentos para as áreas de espera:
  • Adotar as mesmas regras de distanciamento entre mesas e cadeiras também neste local, quando aplicável;
  • Caso formem-se filas do lado de fora do estabelecimento, responsabilizar-se por sua organização, observadas as regras de distanciamento;
  • Procedimentos para entrada dos clientes:
  • Após a chegada do cliente, um membro da equipe, após a triagem rápida, deverá encaminhá-lo diretamente à mesa, prévia e adequadamente higienizada, organizada apenas com utensílios essenciais ao consumo, também devidamente higienizados;
  • Nesse momento, todas os clientes devem ser orientados a respeito do das regras deste protocolo;
  • Instalar barreira de proteção acrílica nos caixas, balcões de atendimento, credenciamento, pontos de informação, recepções, locais de entrega de alimentos e similares;
  • Subsidiariamente, assegurar-se de que os funcionários estejam portando viseira de acrílico;
  • Evitar contato físico entre profissionais e clientes;
  • Estabelecimentos que operem mediante sistema de entrega de alimentos também devem obedecer ao princípio de contato mínimo entre as pessoas, inclusive, quando possível, com a vedação do cliente no estabelecimento, entregando-se diretamente ao cliente o produto adquirido;
  • Estabelecimentos que adotem o sistema de autosserviço (self-service) e demais serviços de alimentação poderão operar:
  • Mediante utilização de colaboradores com a função de servir os clientes, devidamente paramentados com máscaras, viseiras de acrílico, luvas e, caso tenham cabelos longos, que estejam portando-os presos;
  • Estabelecimentos que adotem o sistema de pedidos para consumo em seu interior deverão garantir que os garçons estarão devidamente paramentados com máscaras, viseiras de acrílico, luvas e, caso tenham cabelos longos, que estejam portando-os presos.

 

5. Higiene

  •   Garantir a obrigatoriedade do uso de máscaras por todos os clientes, colaboradores e fornecedores;
  • Apenas quando estiver sentado em sua mesa, o cliente poderá deixar de utilizar máscaras de proteção;
  • É obrigatório que o estabelecimento forneça máscaras suficientes aos seus colaboradores e desejável que forneça máscara aos clientes que não as estejam portando;
  • Quem optar por fornecer máscaras descartáveis, deve ter estoque para fornecimento de ao menos 3 trocas de máscaras por dia;
  • No caso de máscaras de pano, o estabelecimento deverá garantir que cada funcionário tenha, ao menos, 5 máscaras para que possa ir trocando e lavando as que forem sendo utilizadas, sendo o funcionário o responsável pela higienização;
  • Disponibilizar temperos e condimentos em sachês ou em porções individualizadas diretamente da cozinha a cada cliente;
  • Garantir a obrigatoriedade do uso de viseiras de acrílico pelos funcionários, quando determinado por este protocolo, fornecendo-lhes o material de proteção;
  • Orientar, ostensivamente, funcionários e clientes, inclusive por meio de cartazes afixados, banners, panfletos, áudios, vídeos, e-mails, etc., sobre a necessidade de higienização frequente das mãos, bem como sobre a maneira correta de fazê-lo;
  • É desejável a lavagem de mãos com água e sabão ou álcool gel 70% sempre que possível, e obrigatória:
  • Antes de contato com alimentos, ainda que crus, ou com materiais utilizados para seu preparo ou consumo;
  • Durante e depois o preparo dos alimentos;
  • Após o contato com superfícies suscetíveis a contaminação por serem tocadas por grande número de clientes ou funcionários, como maquininhas de cartão, dinheiro, corrimãos, maçanetas, balcões, entre outros;
  • Disponibilizar álcool em gel 70% para higienização das mãos.
  • O produto deve ser posicionado, de maneira visível e de fácil acesso, em todas as entradas e saídas, locais de realização de pagamento, nas mesas dos clientes e quando da utilização de máquinas de atendimento do sistema bancário;
  • É obrigatório o uso de aventais limpos, que devem ser providenciados pelo estabelecimento aos funcionários, durante o preparo dos alimentos;
  • Separar lixo com potencial de contaminação para descarte (Equipamento de Proteção Individual – EPI, luvas, máscaras, etc.);
  • Orientar as equipes sobre o correto descarte de materiais possivelmente contaminados, bem como a lavagem de mãos após tais episódios;
  • Pratos, copos e talheres devem ser higienizados com cuidado e de maneira correta;
  • Seu manuseio e disponibilização aos clientes devem ser realizados por funcionário que esteja portando máscara e que haja higienizado as mãos antes de manipular os itens limpos;
  • Devem ser oferecidos aos clientes em suportes protegidos e higienizados, vedado o uso de guardanapos de tecido;
  • Os cardápios deverão ser disponibilizados por meio de plataformas digitais (site do estabelecimento, menu digital via QR Code ou aplicativo) ou cardápios de grande porte e visibilidade dispostos nas paredes do estabelecimento, como lousas, quadros e luminosos;
  • Disponibilizar formas de pagamento alternativas como transferência bancária e pagamentos por aproximação, que não necessitam contato com o caixa e máquinas de cartão;
  • Cobrir as máquinas e dispositivos de pagamento com plástico filme, higienizando-os após cada utilização;
  • Disponibilizar dispensadores com álcool em gel 70% para uso daqueles que optarem pelo pagamento por meio de cartões e dinheiro (tanto para o operador do caixa, quanto para o cliente);
  • Orientar colaboradores e clientes a reforçar os procedimentos de higiene logo após o manuseio de dinheiro em espécie.

6. Sanitização de ambientes

  •  Realizar higienização diária do local que receberá o público e em que serão preparados ou armazenados os alimentos;
  •  Retirar do estabelecimento tapetes e objetos que dificultem a limpeza, optar por uma decoração minimalista;
  • Optar, sempre que possível, pelo oferecimento de mesas com superfície que possa ser higienizada;
  • Caso a opção seja pelo uso de toalhas de mesa de pano, resta vedado seu reaproveitamento de um atendimento para o outro;
  • Providenciar, sempre que possível, a manutenção de portas e janelas abertas, privilegiando a ventilação natural e minimizando o manuseio de maçanetas e fechaduras;
  • Em caso de ambientes climatizados, garantir a manutenção dos aparelhos de ar condicionado, conforme recomendação da legislação vigente e atentando-se aos seguintes aspectos:
  • Todo ambiente que dispuser de ventilação artificial só poderá ser utilizado se seus ductos e equipamentos forem regularmente limpos e esterilizados com os produtos recomendados, a fim de evitar-se a propagação do vírus;
  • A frequência de limpeza das tubulações de ventilação artificial deverá ser registrada e disponibilizada em caso de fiscalização da autoridade sanitária;
  • Realizar mapeamento dos objetos, superfícies e itens em geral que possuem grande contato manual, como máquinas de cartão, maçanetas, corrimãos, entre outros, para que seja realizada uma rotina de desinfecção;
  • Garantir que os lavatórios e banheiros, para clientes e colaboradores, sejam devidamente equipados com água, sabão e toalhas descartáveis, além de lixeiras com acionamento não manual;
  • Intensificar a higienização dos sanitários de uso de colaboradores e clientes;
  • Para que um equipamento, utensílio ou superfície seja considerado higienizado, deve passar pela etapa de limpeza para remoção de sujidades e posterior desinfecção com produto adequado e regularizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA e/ou Ministério da Saúde – MS e deve ser utilizado somente para as finalidades indicadas pelos fabricantes, dentro do prazo de validade e acompanhados de Fichas de Informações de Segurança de Produtos Químicos (FISPQ);
  • Devem ser devidamente higienizadas, por profissional especializado, as máquinas de café, de gelo, entre outras.
  • Evitar apoiar quaisquer materiais no chão, devido ao risco de contaminação.

 

7. Orientação aos clientes

  •   Garantir a ampla difusão das normas contidas neste protocolo aos clientes, por meio de cartazes afixados, banners, panfletos, áudios, vídeos, e-mails, etc.;
  •   Em local visível, na entrada do estabelecimento, afixar placa com a lotação máxima autorizada, segundo a classificação que o município obtiver AMARELA ou VERDE.
  • Na mesma placa deverão ser informados os dias e horários de atendimento ao público.

 

8. Orientação aos colaboradores

  •   Assegurar-se de que máscaras, luvas e outros equipamentos de proteção e higiene fornecidos nunca serão compartilhados entre os colaboradores;
  • Também está vedado o compartilhamento de objetos e utensílios de uso pessoal, a exemplo de copos descartáveis, ones e aparelhos de telefone;
  • Vacinar ou orientar que seus funcionários vacinem-se para gripe (influenza e H1N1);
  • Nos vestiários, devem ser adotados os cuidados para evitar a contaminação cruzada do uniforme, evitando-se contato entre uniformes limpos e os sujos;
  • Orientar os colaboradores a seguirem as seguintes medidas de segurança fora do ambiente de trabalho:
  • Não realizar o trajeto de uniforme, evitando a contaminação dos colegas de trabalho;
  • Trocar a máscara utilizada no deslocamento;
  • Lavar e trocar os uniformes diariamente e levá-los ao local de trabalho protegidos em saco plástico ou outra proteção adequada, necessariamente fornecida pelo estabelecimento;
  • Uniformes só devem ser utilizados no ambiente de trabalho;
  • Os cuidados para evitar a contaminação cruzada do uniforme devem ser tomados.

 

9. Horários alternativos de funcionamento

  Enquanto vigorar o Plano São Paulo, os estabelecimentos só poderão receber clientes por 6 horas, observando-se o limite das 17h para a interrupção completa do uso dos ambientes internos pelo público em geral, ou horário anterior, se assim estabelecido em norma estadual;


10. Redução do expediente

  •   Deverão ser estabelecidas as jornadas de trabalho compatíveis com os horários reduzidos de funcionamento, com o fim de evitar concentração de colaboradores no estabelecimento;
  • Serão estabelecidos novos turnos em que as refeições são servidas aos colaboradores, de modo a diminuir o número de pessoas reunidas simultaneamente.

11. Apoio a colaboradores que tenham dependentes incapazes, no período em que estiverem fechadas as creches, escolas e abrigos

  •  Elaborar uma escala para que os colaboradores que não tenham com quem deixar os incapazes durante o período em que estiverem fechadas as creches, escolas e abrigos, especialmente as mães trabalhadoras, possam ter esse apoio do estabelecimento;
  •   Permitir o trabalho no sistema de teletrabalho para empregados que não tenham quem cuide de seus dependentes incapazes no período em que estiverem fechadas as creches, escolas ou abrigos, sendo que, se não for possível o teletrabalho, o empregador deverá acordar com o empregado uma forma alternativa de manutenção do emprego, podendo, para tal, utilizar os recursos previstos na legislação federal atualmente vigente;
  •   Se possível, o empregador poderá disponibilizar maneiras alternativas de viabilizar a presença do empregado ao local de trabalho, oferecendo uma solução humana e responsável ao cuidado do menor, a qual deverá ser decidida em conjunto com a mãe.

 

12. Protocolo de fiscalização e monitoramento do próprio setor (autotutela)

  •   A entidade representativa do setor deverá informar a todos os seus representados sobre os protocolos a serem seguidos e apoiar a sua implementação;
  •   Manter comunicação contínua com seus associados, esclarecendo dúvidas e estimulando a  continuidade das medidas enquanto durar a pandemia.

O DNA da King Contabilidade

A King Contabilidade completou 60 anos! E nessa data tão especial, gostaríamos de agradecer imensamente à nossa equipe de colaboradores, onde cada um nos ajuda diariamente a construir essa jornada de sucesso, e também a cada cliente, muitos dos quais acompanhamos o seu nascimento e permanecem compartilhando suas histórias conosco até hoje.

Nossa incrível jornada se iniciou em 1960, quando nossos princípios foram implantados pelo fundador e atual presidente do conselho, Hatiro Shimomoto, os quais são seguidos até hoje e são o segredo da nossa solidez: “Não trabalhamos para ganhar dinheiro, e sim para servir e ser útil. Reinvestimos na nossa fonte de renda e trabalhamos sempre com prioridades!”.

Temos a missão de atender com excelência os clientes e também formar bons colaboradores, afinal, por acreditarem na nossa visão, nos impulsionam a seguir em frente buscando melhorar sempre mais para fazer a diferença. Cada colaborador é responsável pelo sucesso da nossa empresa e, como consequência, geramos impacto positivo sobre o nosso país como um todo”, destaca Márcio Shimomoto, presidente da King.

E com os clientes, buscamos criar um relacionamento de parceria, analisando sempre novas ferramentas tecnológicas e outras formas de trabalho para otimizar e facilitar o dia a dia dos empresários, sendo assim, atuamos como seus consultores, além de contadores, pensando juntos em oportunidades e soluções para a saúde das empresas.

Com todas essas filosofias implantadas, desde o fundador até o nosso último colaborador, o futuro da King já foi traçado! Visamos melhorar o Brasil através dos nossos serviços, contando com o apoio de todos os envolvidos.

E mais uma vez, a nossa imensa gratidão a cada um de vocês.

——————————————————————————————————————————–


Um pouco de história:

Celebrando ainda os 60 anos, juntamos partes de memórias e momentos importantes para narrar essa história:

1º cartão da King

 

1960 – 1a Sede da King

1960 – Funcionários

1960 – Primeiro panfleto da King

1986 – Folder de 26 anos

 

2000 – Folder 40 anos

 

1970 – Reunião mensal de diretores e gestores

Em 1970 iniciamos a reunião semanal entre diretoria e gestores. Nas reuniões compartilhamos soluções, estratégias, ações e correção dos processos.

2020 – Atual reunião de diretores e gestores

2020 – Atual sede da King

2020 – Colaboradores

2020 – Atual reunião mensal de colaboradores

Em 1986, com a inauguração da sede própria, iniciamos as reuniões mensais com todos os colaboradores. Nas reuniões mensais são abordados temas comportamentais, campanhas internas, encontro que segue até os dias atuais.

2002 – 12ª Convenção Anual da King

Em 1990 iniciamos as Convenções Anuais da King Contabilidade, com a participação da Diretoria e Gestores. Nas Convenções a Diretoria e Gestores, discutem sobre as estratégias de negócios, gestão de pessoas e gestão de tecnologia que serão parte das metas de curto, médio e longo prazo.

2019 – Atual Convenção Anual da King

2020 – BIK atual, porém criado desde 1992

BIK foi criado em 1992 com o objetivo de informar, aos clientes e interessados, as notícias, novidades e mudanças na legislação, criamos o BIK em 1992. Uma forma também de comunicar efetivamente tudo que acontece internamente na King.

Gestão de Pessoas – Em 1994 criamos o departamento de Gestão de Pessoas.
O Gestão de Pessoas é responsável pelas ações Operacionais e Estratégicos que envolvem colaboradores.

2007 – Implantação da Pesquisa Interna de Satisfação – PCO

2011 – Contratação Consultoria Externa de Gestão Pessoas
Que nos norteou e implantou processos de Políticas de Gestão de Pessoas, Avaliação de Desempenho, Plano de Carreira, Cargos e Salários, Fortalecimento da Missão, Visão e Valores e Treinamentos.

2015 – Implantação PPR

 

2018 – Reforma do 5º andar para atender os clientes de forma exclusiva!

Em 1998 criamos o departamento de Relacionamento com Cliente, com a finalidade de acompanhar e integrar os novos clientes.
Em 2018 reformamos o 5º andar para atender os clientes de forma exclusiva!

2019 – Instalação de Placas Solares

Jardim suspenso: Inaugurado no dia 01/05/86

Jardim suspenso: Inaugurado no dia 01/05/86, na cobertura do Edifício “MASAHARU TANIGUCHI” no bairro da Penha, à Rua Coronel Meireles 170 – 9º andar, com aproximadamente 200 metros quadrados, totalmente estruturado sem risco de vazamentos e possui irrigação automática.

Hoje possui árvores de 4 a 5 metros de altura e uma variedade de plantas. Na era do aquecimento global, é o Grupo King mostrando mais uma vez, sua contribuição para diminuir o efeito estufa e incentivando o público sobre a importância na preservação da natureza.

O Edifício Matarazzo no Viaduto do Chá, foi o primeiro em São Paulo a possuir um jardim suspenso e a KING, o segundo.

Dr. Hatiro chegou a sugerir ao Prefeito de SP para que os edifícios acima de 5 andares, tivessem um jardim suspenso, colaborando no controle da poluição, melhorando o meio
ambiente e sobretudo, evitar as enchentes na cidade, pois com o jardim, há maior retenção de água das chuvas.

Faltam poucos dias para encerrar a temporada do Leão, o especialista alerta os contribuintes.

Não deixe para transmitir sua declaração no último dia, leve em conta que o sistema da RFB pode ficar sobrecarregado e com isso acarretar transtorno ao declarante, inclusive com a impossibilidade de entrega no último dia, gerando por conseguinte multas, pela entrega atrasada da DIRPF, bem como nas parcelas, para quem tem imposto a pagar, observando que a confeccionar sua declaração no último ou últimos dias, o contribuinte não poderá mudar sua opção de declaração completa para simplificada ou vice versa.

 

Considerando ainda o dito popular “A pressa é inimiga da perfeição”, preencher a declaração com afobação implica em eventuais erros de digitação, esquecimentos de informações importantes para o Leão. Outro fator importante é ter tempo suficiente para decidir qual modelo optar para a DIRPF, simplificada ou completa, como mencionado acima.

 

Havendo imposto a restituir vale pensar que tal quantia ajudará em seu orçamento, portanto mãos à obra, pois como é de conhecimento as primeiras restituições serão levadas em conta pelo Fisco para efeitos de restituição, em outras palavras os primeiros a entregarem suas declarações serão os primeiros a receberem a sua restituição.

 

Se por qualquer motivo não conseguir prestar contas exatas com o leão, envie a declaração incompleta, assim evita da multa mínima de 165,74 ou de 1% ao fração até o limite de 20% do imposto devido, fazendo logo em seguida a declaração retificadora com as informações corretas.

Quer mais informações sobre como declarar seu IRPF,
acesse www.grupoking.com.br/jornada-irpf-2020

Protocolo de reabertura: Concessionárias

PORTARIAS PORTARIA PREF 605, DE 4 DE JUNHO DE 2020 SEI 6010.2020.0001663-2 BRUNO COVAS, Prefeito do Município de São Paulo, usando das atribuições que lhe são conferidas por lei, CONSIDERANDO nova fase de combate à pandemia do Coronavirus na Cidade de São Paulo, conforme estabelecido pelas autoridades sanitárias estaduais, possibilitando a retomada gradual e cuidadosa das atividades não essenciais na capital; CONSIDERANDO que o combate à pandemia e as medidas de prevenção são questões que devem ser enfrentadas por toda a sociedade, e que o esforço para a superação da crise é de responsabilidade conjunta de governos, de empresas e de cidadãos; CONSIDERANDO que a adoção de protocolos sanitários auxiliará na prevenção e na contenção da disseminação da pandemia, possibilitando que se salve vidas e se evite a sobrecarga nos hospitais no Município de São Paulo; CONSIDERANDO a instituição do Plano São Paulo pelo Decreto Estadual nº 64.994, de 28 de maio de 2020, que prevê uma atuação coordenada do Estado com os Municípios paulistas e a sociedade civil, com o objetivo de implementar e avaliar ações e medidas estratégicas de enfrentamento à pandemia decorrente da COVID-19; CONSIDERANDO o disposto no Decreto nº 59.473, de 29 de maio de 2020, e, em especial o artigo 7º, parágrafo único, do Decreto Estadual nº 64.994/2020. CONSIDERANDO o protocolo sanitário aprovado pela Coordenaria de Vigilância em Saúde e a celebração de termo de compromisso entre a Casa Civil e as entidades representativas dos setores constantes desta portaria.

RESOLVE: Art. 1º Autorizar o atendimento ao público dos seguintes setores econômicos, os quais deverão cumprir o protocolo sanitário do respectivo setor, constante dos Anexos I e II desta portaria: I – Concessionárias e revendedoras de veículos; e II – Escritórios de prestação de serviços. Art. 2º Esta portaria entra em vigor na data de sua publicação. PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, aos 4 de junho de 2020, 467º da fundação de São Paulo. BRUNO COVAS, Prefeito.

ANEXO I INTEGRANTE DA PORTARIA 605/2020/PREF.G

PROPOSTA DE PROTOCOLO DE REABERTURA SETOR: CONCESSIONÁRIAS

1. Distanciamento social

* Dar preferência a realização virtual de intermediações e todas as demais atividades administrativas e comerciais, evitando atendimento presencial, sempre que possível; * Deverá ser feito controle de acesso ao showroom, a fim de evitar aglomeração de pessoas, e as visitas deverão ser, preferencialmente, agendadas previamente;

* Deverá ser mantido o distanciamento de 1,5m em todos os ambientes, internos e externos, para clientes e colaboradores, sinalizando posições no piso sempre que necessário; * Preferir a ocupação de apenas um cliente por veículo de test drive;

* A retomada das atividades de vendas de veículos novos e usados (showroom) respeitará o limite de 20% de pessoal do setor de showroom e administrativo, podemos evoluir gradativamente, conforme reclassificação do município pelo Plano São Paulo ;
* Suspender, temporariamente, a realização de simulações de incêndio nas instalações da empresa;

* Não realizar eventos de lançamentos, promoções e ou outras atividades que possam gerar aglomeração.

2. Higiene

* Disponibilizar na entrada do departamento de vendas de veículos novos e usados (showroom) e em bancadas recipientes com álcool em gel 70%, como em todos os ambientes e estações de trabalho, para uso dos colaboradores e clientes;

* Exigir de clientes e colaboradores o uso e/ou disponibilizar máscaras e/ ou outros EPIs necessários para cada tipo de atividade, principalmente para atividades de limpeza, retirada e troca do lixo, manuseio e manipulação de alimentos e aferição de temperatura e outros cuidados médicos;

* Recolher e efetuar a desinfecção dos EPIs reutilizáveis, tais como aventais, protetores faciais, e protetores auriculares, ou disponibilizar local adequado para que o funcionário o faça diariamente;

* Caso a água seja fornecida em galões, purificadores ou filtros de água, orientar que cada um deve ter seu próprio copo. Os bebedouros de pressão de utilização comum serão removidos ou lacrados;

* Caso haja fornecimento de alimentos, será feito de modo individualizado e, preferencialmente, com utilização de material descartável;

* Orientar os colaboradores e clientes para que evitem tocar os próprios olhos, boca e nariz e evitem contato físico com terceiros, tais como beijos, abraços e aperto de mão;

* Orientar colaboradores e clientes para que sigam a etiqueta de tosse, a higiene respiratória conforme divulgado pelas autoridades de saúde;

* Incentivar a lavagem de mãos ou higienização com álcool em gel 70% antes do início do trabalho, após tossir, espirrar, usar o banheiro, tocar em dinheiro, manusear alimentos, manusear lixo, manusear objetos de trabalho compartilhados; e antes e após a colocação da máscara;

* Envelopar as máquinas de cartão com filme plástico e higienizá-las após cada uso;

* Indicar a funcionários e clientes os locais específicos para descarte de máscaras, recomendando trocas periódicas, de acordo com as instruções do fabricante e as indicações dos órgãos sanitários e de saúde;

* Divulgar a orientação aos colaboradores e clientes para que não compartilhem objetos pessoais, tais como fones de ouvido, celulares, canetas, copos, talheres e pratos, bem como para que realizem a higienização adequada dos mesmos. Sempre que possível, o mesmo deverá ser aplicado para o compartilhamento de objetos de trabalho. Objetos fornecidos a clientes devem estar embalados individualmente;

* Realizar e/ou exigir a higienização dos produtos utilizados ou tocados pelos clientes a cada troca de cliente.

3. Sanitização de ambientes

* Adotar a utilização de barreiras físicas sempre que a distância mínima entre pessoas não puder ser mantida;

* Sempre que possível, manter os ambientes abertos e arejados;

* Disponibilizar kits de limpeza aos funcionários e orientá-los para a higienização das superfícies e objetos de contato frequente antes e após o seu uso, tais como botões, mesas, computadores e volantes;

* Ar condicionado – Quando possível, evitar o uso de ar condicionado. Caso seja a única opção de ventilação, instalar e manter filtros e dutos limpos, além de realizar a manutenção e limpeza periódicas do sistema de ar condicionado;

* Higienização de ambientes infectados – Em caso de confirmação de caso de COVID-19, isolar os ambientes em que a pessoa infectada transitou até a sua higienização completa;

* Retirada de tapetes e carpetes: Sempre que possível, retirar ou evitar o uso de tapetes e carpetes, facilitando o processo de higienização. Não sendo possível a retirada, reforçar a limpeza e higienização dos mesmos;

* Nas oficinas e veículos: o Sempre que possível, incentivar o serviço ‘leva e traz’ como iniciativa para reduzir a entrada de clientes na oficina; o Ao receber o veículo na oficina, antes de cobrir os bancos, volantes e manoplas com película protetora descartável, realizar a higienização de maçanetas externas, volante, manopla, forração lateral, alavanca de câmbio acessórios internos que possam ser manuseados pelo mecânico; o Ao finalizar os trabalhos de revisão ou manutenção na oficina, realizar a higienização interna e externa do veículo.

* Departamento de vendas de veículos novos e usados (showroom) e escritórios dos concessionários e das Associações: o Cobrir áreas de manuseio comum pelo público em veículos de test drive e do showroom (como volante, câmbio, bancos, maçanetas, etc.) com película protetora descartável e higienizar a cada uso; o Fazer a higienização do interior e exterior dos veículos de test drive a cada uso, e dos veículos do showroom com maior frequência do que é realizado atualmente; o Aperfeiçoar e reforçar os processos de limpeza e higienização em todos os ambientes e equipamentos, incluindo piso, estações de trabalho, máquinas, mesas, cadeiras, computadores, entre outros, ao início e término de cada dia e intensificar a limpeza de áreas comuns e de circulação de pessoas durante o período de funcionamento; o Sempre que possível, disponibilizar lixeira com tampa com dispositivo que permita a abertura o fechamento sem o uso das mãos (pedal ou outro tipo de dispositivo, como acionamento automático) efetuando frequentemente a higienização das lixeiras e o descarte do lixo e separar o lixo com potencial de contaminação (EPI, luvas, máscaras, etc.) e descartá-lo de forma que não ofereça riscos de contaminação e em local isolado; o Sempre que possível, manter as portas e janelas abertas dos veículos, evitando o toque nas maçanetas e fechaduras;

4. Orientação para clientes

* Fixar cartazes e informes com: o as principais medidas e recomendações e/ou distribuição de folder digitais com estas informações; orientações preventivas a serem adotadas nos ambientes de trabalho, público e de convívio familiar e social, em todos os canais de comunicação da empresa, admitida o meio online; o a importância de higienizar o ar-condicionado e trocar o filtro, aumentando a capacidade de filtragem do sistema e reduzindo a circulação de patógenos no interior do veículo. Os concessionários e as Associações de Marca reforçarão as medidas de prevenção da doença conforme o presente protocolo, orientando os colaboradores e clientes a adotarem: (i) Distanciamento social; (ii) Obrigatoriedade do uso de máscaras e demais EPI; (iii) Higiene das mãos; (iv) Limpeza do ambiente de trabalho de acordo com orientações da Vigilância Sanitária; (v) Afastamento de sintomáticos;

5. Orientação aos colaboradores

* Solicitar a seus empregados que suspeitem de contaminação, seja por apresentarem algum dos sintomas, seja por manter contato com pessoa contaminada ou suspeita de contaminação, que comuniquem o fato imediatamente ao empregador para a tomada das medidas cabíveis, especialmente de afastamento do empregado e desinfecção dos locais em que esteve, para evitar disseminação da doença;

* Sempre que possível, evitar viagens a trabalho nacionais e internacionais e, quando ocorrerem, fornecer EPI´s, especialmente máscaras, e garantir comunicação constante com o funcionário para orientação de medidas de prevenção e monitoramento; Os concessionários e as Associações de Marca reforçarão as medidas de prevenção da doença conforme o presente protocolo, orientando os colaboradores e clientes a adotarem: : (i) Distanciamento social; (ii) Obrigatoriedade do uso de máscaras e demais EPI; (iii) Higiene das mãos; (iv) Limpeza do ambiente de trabalho de acordo com orientações da Vigilância Sanitária; (v) Afastamento de sintomáticos.

6. Compromisso de testagem com colaboradores

Quando da retomada da atividade do departamento de vendas de veículos novos e usados (showroom) os concessionários e as Associações de Marca solicitarão que seus colaboradores confirmem terem respeitado a quarentena imposta pelas autoridades Estaduais e Municipais, priorizando os que assim o fizeram, de forma a minimizar o risco de contato com pessoas eventualmente infectadas;

* O protocolo de monitoramento de condições de saúde será adotado com o apoio das Associações de Marca que integram o segmento automotivo. Por meio delas serão coletadas semanalmente declarações de cada concessionário da capital paulista, confirmando o cumprimento do presente protocolo bem como a existência de algum caso classificado suspeito em decorrência da triagem, conforme abaixo.

Protocolo de Testagem dos Colaboradores
1. Prevenção;
2. Testagem;
3. Triagem dos casos suspeitos;

o A triagem será realizada da seguinte forma:

a. Aferição da temperatura – Medir diariamente a temperatura corporal dos colaboradores preferencialmente que assim autorizarem, restringindo o acesso a empresa caso esteja acima de 37,5ºC. Caso não seja possível utilizar medidores de temperatura sem contato, a higienização do termômetro com álcool 70º deve ser realizada a cada uso.

b. Após a aferição da temperatura, o colaborador deverá preencher, no mínimo semanalmente, e disponibilizar à empresa que encaminhará às Associações de Marca o questionário auto declaratório, conforme modelo sugestivo abaixo:

c. Em caso de temperatura corporal acima de 37,5ºC e/ou resposta positiva para as perguntas 1 e/ou 2 e quaisquer de seus subitens, o colaborador será considerado como um caso suspeito e deverá ser orientado imediatamente a: I. ser afastado do trabalho; II. Ser orientado a buscar imediatamente o Sistema de Saúde para a orientações sobre conduta e avaliação; III. manter isolamento domiciliar por 14 dias ou até o resultado do teste (se for realizado) que elimine a suspeita de infecção; e IV. realizar o teste confirmatório. Neste momento a Concessionária deverá informar o Sistema de Saúde Pública e a Associação de Marca com cópia para a FENABRAVE.

Testagem dos colaboradores identificados como casos suspeitos/ contenção: A testagem possui três objetivos: I. Confirmação dos casos suspeitos para isolamento; II. Monitoramento de indivíduos assintomáticos infectados, no caso de contato com pessoa testada positiva; e III. Oferta de informações relevantes sobre o comportamento da epidemia para os especialistas da saúde.

* Comunicação de casos confirmados e suspeitos – Comunicar primeiramente o empregado e, preferencialmente mediante autorização do empregado e respeitando sua privacidade, os ambulatórios de saúde (empresarial) e área de RH da empresa sobre casos suspeitos e confirmados de COVID-19, bem como informar colaboradores da mesma área/equipe, trabalhadores e clientes que tiveram contato próximo com o paciente do caso suspeito ou confirmado nos últimos 14 dias;

* Empresas parceiras – Comunicar empresas parceiras quando da confirmação de caso de COVID-19 em que o colaborador/prestador de serviço tenha trabalhado dentro das dependências da contratante ou tido contato com colaboradores e clientes da contratante;

* Comunicação com órgãos competentes – Confirmada a infecção do colaborador, os concessionários atendendo ao interesse público, preferencialmente mediante autorização do empregado/colaborador, informarão Sistema de Saúde Pública indicado nas plataformas do Governo informarão as autoridades sanitárias e, sem prejuízo, informarão através da declaração semanal às Associações de Marca, a existência de caso confirmado. As Associações, através da FENABRAVE e SINCODIV/ SP também informarão o Sistema de Saúde Pública indicado nas plataformas do Governo, como forma de duplo controle da informação conforme mais adiante detalhado.

* Os empregados sintomáticos, suspeitos ou confirmados, que estiverem isolados serão monitorados pela concessionária a cada 1 ou 2 dias, para avaliação do agravamento de sintomas.

7. Compromisso de testagem cliente

* Aferição da temperatura – Medir a temperatura corporal dos clientes que assim autorizarem, restringindo o acesso ao estabelecimento caso esteja acima de 37,5ºC orientando-os a buscarem aconselhamento médico.

8. Horários alternativos de funcionamento

* Sempre que possível, definir horários diferenciados para o atendimento no departamento de vendas de veículos novos e usados (showroom) às pessoas do grupo de risco;

* Os horários de almoço e café dos colaboradores serão escalonados para que assim sejam evitadas aglomerações de pessoas nas dependências internas da Concessionária e Associação de Marca. o Setor de oficinas/ pós vendas das concessionárias: permanece com suas atividades normais e quantidades necessária de colaboradores. o As atividades de oficinas/pós vendas já foram classificadas como atividades essenciais pela legislação em vigor.

9. Redução do expediente

* Será realizado escala de horários, visando reduzir o número de colaboradores, utilizando-se das alternativas previstas nas MPs 927 e 936;

* Horários alternativos de funcionamento (escalas diferenciadas de trabalho) com redução de expediente: o Departamento de vendas de veículos novos e usados (showrom): As Concessionárias e Associações de Marca, enquanto perdurar a classificação do Município como fase dois laranja, com exceção das equipes envolvidas nas atividades classificadas como essenciais, que seguirão a jornada normal, trabalharão com suas equipes reduzidas a 20% e em horários reduzidos conforme a seguir detalhado: segunda a sábado – 4 (quatro) horas seguidas no período da manhã ou no período da tarde; domingo – não haverá expediente. o Setor de oficinas/ pós vendas das concessionárias: Permanece com suas atividades normais e quantidades necessária de colaboradores. As atividades de oficinas/pós vendas já foram classificadas como atividades essenciais pela legislação em vigor.

* Manter esquema de revezamento dos funcionários: exemplificativamente alternar equipes em dias par/ímpar;

* Horários alternativos de funcionamento (escalas diferenciadas de trabalho) com redução de expediente

MEI – Declaro ou Não Declaro? Eis a questão

O trabalho por conta própria cresce desenfreadamente, em nível recorde! O número de MEI ultrapassa a marca de 9 milhões, afinal mais de 24 milhões de pessoas trabalham por conta própria, isto é, no formato de profissional autônomo. E grande parte destas pessoas optaram pela formalização do seu negócio, tornando-se Microempreendedor Individual – MEI, lembrando que o Microempreendedor tem limite de faturamento para se manter como tal, ou seja: R$ 81.000,00 anual = R$ 6.750,00 mensal.

Agora que já chegou o período da Declaração de IRPF, fica a dúvida: O que o MEI precisa avaliar para saber se está ou não obrigado a entrega da Declaração de IRPF/2020?

  1. Verificar primeiro de onde vem os rendimentos. Se for apenas do que a pessoa recebe através do MEI, ele deve seguir os seguintes passos:
  1. Calcular o Lucro evidenciado, somando a receita bruta menos as despesas que utilizou no negócio (aluguel, agua, luz, compra de mercadorias, etc);
  1. Agora que já tem o valor do Lucro evidenciado, precisa calcular a parcela isenta, lembrando que o percentual que deve aplicar vai depender do tipo de atividade do negócio, acompanhe abaixo um exemplo:

8% da receita bruta para atividade de comércio, indústria e transporte de cargas

16% da receita bruta para transporte de passageiros

32% da receita bruta para serviços em geral

c-   Fazendo este cálculo, o Mei já vai ter o valor da sua parcela Isenta de IR;

d-   Agora vamos calcular o valor tributável, que nada mais é do que o lucro evidenciado menos a parcela isenta.

Exemplo: Prestador de serviços

Receita Bruta anual de                                                  R$ 79.890,00

Despesas: aluguel, fone, insumos, etc                            R$ 23.570,00

Lucro evidenciado – receita (-) despesa                          R$ 56.320,00

Parcela Isenta – 32% da Receita Bruta                           R$ 25.564,80

Parcela tributável – Lucro evidenciado (-) P. Isenta         R$ 30.755,20

Neste caso, como os rendimentos tributáveis ultrapassam R$ 28.558,70, o MEI está obrigado a entregar a Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física.

E deve lançar esses dois valores na sua DIRPF, na Ficha de Rendimentos Tributáveis Recebidos de PJ – R$ 30.755,20, e na ficha de Rendimentos Isentos – Lucros e Dividendos recebidos pelo titular – R$ 25.564,80.

Lembrando:

  1. Na condição de Pessoa Física, acertar as contas com o Leão até 30/04/2020;
  2. Na condição de Pessoa Jurídica – MEI, apresentar Declaração Anual do Simples Nacional (DASN-SIMEI) até 31/05/2020;
  3. Que todos os outros rendimentos devem ser informados na mesma Declaração, quais sejam: Recebimento de Aluguéis, pensão alimentícia, assalariado, aposentadoria, pensão, etc.

Fonte: King Contabilidade

Ao invés de pagar imposto, auxilie projetos voltados à pessoas carentes!

Iniciamos mais uma Temporada de Ajustes de Contas com o Leão – “IRPF 2020”, momento que o contribuinte procura a melhor opção para pagar menos imposto ou até mesmo para restituir.

No caso do contribuinte com imposto devido, é oportuno mencionar que parte deste valor pode ser direcionado para transformar a vida de muitas pessoas! Então o contribuinte não vai pagar nada a mais do que já pagaria à Receita, porém pode destinar parte desse valor diretamente para o fundo da criança do adolescente ou do idoso, onde ele pode escolher o projeto a ser beneficiado.

A King Contabilidade tem o objetivo de sensibilizar seus clientes a autorizarem essas doações, ressaltando que tal ação não gera trabalho extra para os contadores, tão pouco ônus para o declarante. É uma forma simples e rápida de praticar a solidariedade.

 

Acompanhe as regras do IR para doações:

– Vale ressaltar que esse tipo de doação só é permitida para quem entrega a declaração no modelo Completo.

– Se o contribuinte já sabe, pelo seu histórico de declarações, que irá pagar impostos, ele poderá efetuar a doação, com base nesse histórico, até 31/12/2019, ou seja antes de declarar o seu Imposto de Renda, podendo abater do IR até o limite de 6% do imposto devido.

– Se ele não se sente seguro em fazer a doação antecipadamente e prefere conferir o valor que terá que pagar na entrega da sua declaração, poderá fazer a doação antes do prazo final da entrega da DIRPF 2020, tendo o direito de abater integralmente 3% do imposto devido na declaração. Nesse caso, ao entregar a declaração, o mesmo deverá imprimir uma DARF separadamente, uma para o imposto a pagar à receita e outra para o pagamento da doação.

– Fez doação em 2019, e antes da entrega da declaração deste ano (2020) deseja complementar uma doação, neste caso é necessário que o abatimento do ano passado com este ano não ultrapasse o limite global de 6%.

– Após a doação, é importante que você envie uma mensagem eletrônica com o comprovante do DARF quitado para o Conselho municipal que você escolheu a ser beneficiado para que o valor efetivamente chegue no destino desejado!

 

A King Contabilidade e seus clientes fazendo a diferença!