Desconto PJ: Quanto Você Receberia a Mais se Fosse PJ?

Desconto PJ: Quanto Você Receberia a Mais se Fosse PJ?

Qual o desconto do salário PJ?

No regime de Pessoa Jurídica (PJ), o trabalhador é considerado uma empresa independente perante a lei. Portanto, não há descontos no salário. O patrão paga o salário bruto e integral ao funcionário, mediante a emissão de uma nota fiscal de serviços.

Como uma empresa independente, a PJ deve calcular com muito critério todos os custos. Inclusive os custos tributários, que podem variar de 6% a 33% da receita bruta, observando o regime e a atividade da empresa e aplicando a legislação em vigor.

Como custo tributário temos os impostos (ISS) e as contribuições previdenciárias e socias (INSS, PIS, COFINS, IRPJ,CSLL).

Na prática, uma remuneração bruta como PJ precisa ser, em média, de 20% a 50% maior do que o salário bruto como CLT. Essa discrepância ocorre devido aos descontos fixos de Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) e INSS no regime CLT, além dos benefícios trabalhistas proporcionados pela empresa. No regime PJ, embora o salário líquido seja superior, não há benefícios adicionais além dos estipulados em contrato, e o trabalhador é responsável pelo pagamento de seus próprios impostos.

Ao considerar a transição para o regime PJ, é importante ponderar essas diferenças e avaliar qual opção melhor atende às suas necessidades e preferências.

Qual desconto O PJ tem?

Para um profissional autônomo ou uma pessoa jurídica (PJ), não há um desconto específico no salário como ocorre com os trabalhadores contratados sob regime CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Isso ocorre porque os autônomos ou proprietários de empresas são responsáveis por administrar suas próprias finanças, incluindo o pagamento de impostos e contribuições previdenciárias.

Ao receber pagamentos como pessoa jurídica, o valor que uma empresa ou cliente paga é geralmente o valor bruto pelo serviço ou produto fornecido. Em seguida, o PJ é responsável por calcular e deduzir os impostos devidos, como o Imposto de Renda Pessoa Jurídica (IRPJ) e o Imposto sobre Serviços (ISS), além de contribuições previdenciárias, se aplicável.

Ao receber como PJ, é importante reservar uma parte dos ganhos para cobrir essas obrigações fiscais e previdenciárias, além de despesas operacionais e outros custos associados ao negócio. É recomendável consultar um contador ou profissional de finanças para entender melhor as obrigações tributárias específicas e garantir uma gestão financeira adequada.

Quanto eu ganharia se fosse PJ?

Uma estratégia para estimar o ganho como Pessoa Jurídica (PJ) é considerar um aumento entre 30% a 50% sobre o salário de um trabalhador sob o regime CLT que desempenhe a mesma função ou uma similar. Esse acréscimo tem como objetivo compensar a falta de benefícios como férias e 13° salário.

Por exemplo, se o salário de um trabalhador com carteira assinada for de R$ 3.500, então o salário como pessoa jurídica poderia variar entre R$ 4.550 e R$ 5.250 por mês.

Como calcular salário CLT em PJ?

Para calcular o salário de um funcionário com carteira assinada (CLT) em regime de Pessoa Jurídica (PJ), você pode seguir estes passos simples:

  1. Comece registrando o seu salário bruto atual como CLT.
  2. Subtraia os descontos fixos mensais, tais como FGTS, imposto de renda, benefícios e outros, para obter o salário líquido como CLT.
  3. Em seguida, monte outra conta, considerando a mesma quantia bruta, porém subtraindo os percentuais de impostos e encargos de uma empresa, como os definidos para quem optou pelo Simples Nacional.

A ideia é que o resultado dessas duas contas separadas mostre o valor líquido que você receberia por mês em cada uma dessas formas de trabalho.

Não deixe que questões contábeis o impeçam de focar no crescimento do seu negócio. Deixe a King Contabilidade cuidar de todos os detalhes para que você possa se concentrar no que realmente importa.